Gripe H1N1 já infectou 3.440 pessoas em 29 países, diz OMS

ZURIQUE (Reuters) - O vírus H1N1 já infectou 3.440 pessoas em 29 países, disse neste sábado a Organização Mundial da Saúde (OMS). Na sua última soma, que tende a ter atrasos em relação aos relatórios nacionais, mas é considerada mais segura, a agência da Organização das Nações Unidas afirmou que 45 pessoas no México morreram com a nova variação da gripe, que é uma mistura genética de vírus suínos, aviários e humanos. O número de mortos anterior era de 44 pessoas.

Reuters |

O governo mexicano afirmou que o pior já passou e aliviou restrições a atividades comerciais e públicas no país que foi o epicentro da doença.

O mais recente relatório da OMS aumentou o número de infecções confirmadas nos Estados Unidos de 896 para 1.639 na sexta-feira, enquanto o número de mortes confirmadas permaneceu em dois.

A entidade aumentou também o número de infecções no Canadá de 214 para 242, e uma morte foi confirmada.

Países europeus com casos confirmados nos laboratórios da OMS incluem Espanha (88), Grã-Bretanha (34), Alemanha (11), Itália (6), França (12), Portugal (1), Irlanda (1), Holanda (3), Áustria (1), Dinamarca (1), Suécia (1), Suíça (1) e Polônia (1).

A OMS também confirmou as seguintes infecções no restante do mundo: Israel (7), Brasil (6), Nova Zelândia (5), Coreia do Sul (3), El Salvador (2), Hong Kong, China (1), Guatemala (1), Colômbia (1) e Costa Rica (1).

Os países que entraram na lista pela primeira vez foram: Argentina (1), Austrália (1), Japão (3) e Panamá (2).

A evidência de que a doença, popularmente conhecida como gripe suína, instalara-se países fora das Américas levaria a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, a declarar uma pandemia.

Ela modificou o nível de alerta pandêmico global para 5 na última semana, em resposta à disseminação do H1N1. A fase 5 significa que uma pandemia está iminente.

A OMS também repetiu a sua orientação de que as viagens internacionais não deveriam ser restringidas devido à doença.

(Reportagem de Emma Thomasson)

(Tradução Redação São Paulo; + 55 11 5644-7712))

REUTERS AAP

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG