Gripe H1N1 aumentou morte de crianças na Europa, diz estudo

WASHINGTON (Reuters) - A pandemia do vírus H1N1, da chamada gripe suína, elevou a taxa de mortalidade entre crianças na Europa no fim do ano passado, mas não teve o mesmo efeito em adultos, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira. Os primeiros relatos mostraram um aumento de cerca de 28 por cento nas mortes de crianças de 5 a 14 anos em oito países, segundo Anne Mazick, do Statens Serum Institut, da Dinamarca, e seus colegas.

Reuters |

Isso equivale a cerca de 77 mortes acima do que seria normal nesses meses e nessa faixa etária, de acordo com o artigo publicado na revista eletrônica Eurosurveillance.

Estimar as mortes resultantes da gripe é complicado, já que a maioria das pessoas nunca fez exames, as mortes nem sempre podem ser relacionadas à gripe, e os casos de morte nem sempre são claramente notificados. "Essa estimativa é provavelmente conservadora devido à demora na notificação", acrescentaram os pesquisadores europeus.

Mazick e seus colegas reuniram dados de Bélgica, Dinamarca, Grécia, Malta, Holanda, Suécia e Suíça, e também do Estado alemão de Hesse. Ao todo, trata-se de uma população de 66,8 milhões de pessoas.

"Nossos dados preliminares mostram que a mortalidade relatada durante a pandemia de influenza de 2009 não alcançou os níveis normalmente vistos durante epidemias sazonais de influenza", escreveram os pesquisadores.

Mas eles descobriram 77 mortes entre crianças de 5 a 14 anos, acima do que seria normal nessa época. "A forte ascensão nas mortes após a 41a semana (do ano) corresponde a grosso modo a um aumento de 28 por cento na mortalidade entre crianças de 5-14 anos, coincidindo com a pandemia."

Para efeito de comparação, os Estados Unidos, com 300 milhões de habitantes, confirmaram mais de 300 mortes de crianças por causa do vírus H1N1, e dizem que provavelmente o número real foi muito maior. Isso equivale a mais do que o dobro dos números registrados durante a epidemia sazonal de gripe de todos os anos.

(Reportagem de Maggie Fox)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG