Por Muriel Boselli PARIS (Reuters) - Uma greve geral afeta duramente na quinta-feira o setor energético francês, paralisando parte da capacidade de geração elétrica e reduzindo a produção das seis refinarias da empresa petrolífera Total, de acordo com a central sindical GGT.

As oito centrais sindicais francesas se uniram para convocar a paralisação deste 19 de março, para reivindicar mais empenho do governo e dos patrões na proteção de empregos e salários em meio à recessão.

Mais de 1 milhão de pessoas devem sair às ruas, e as pesquisas mostram que 75 por cento dos eleitores franceses apoiam a greve.

Durante a noite, funcionários do setor energético cortaram 10 gigawatts da capacidade de produção elétrica do país, sendo 9 gigawatts da capacidade nuclear (ou 14 por cento do total) em 11 usinas, de acordo com a GGT.

A redução não afeta o fornecimento doméstico, mas restringe a capacidade da estatal EDF exportar eletricidade para países vizinhos.

A CGT disse também que a greve paralisou a capacidade de refino da gigante Total, que é de cerca de 1 milhão de barris por dia. A empresa, por outro lado, disse que o impacto sobre a produção foi limitado.

A refinaria de Gonfreville, no norte da França, parou já na quarta-feira, em protesto contra um plano de corte de empregos.

Uma greve geral anterior na França, em 29 de janeiro, já havia registrado adesão expressiva no setor energético, cortando cerca de 20 por cento da capacidade nuclear do país.

"Esperamos cortes maiores da capacidade de produção nuclear ainda hoje, mas até agora estamos limitados pelos pedidos da EDF de não cortarmos mais", disse uma fonte sindical, acrescentando que 70 por cento dos operários dos departamentos de produção nuclear da estatal cruzaram os braços.

A EDF opera os 58 reatores nucleares da França, com uma capacidade total de 63,26 gigawatts.

As atividades do principal terminal petrolífero da França, o Fos-Lavera, perto de Marselha, também pararam na quinta-feira, impedindo sete navios de descarregarem, segundo autoridades portuárias.

(Reportagem adicional de Mathilde Cru)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.