Greenpeace: consoles de videogames contêm substâncias químicas perigosas

Depois dos telefones celulares e dos computadores, a associação ecologista Greenpeace condena os consoles de videogames, que contêm substâncias químicas potencialmente perigosas apesar da existência de soluções alternativas para substituí-las.

AFP |

Ftalatos (phthalates), berilio e/ou retardadores de fogo com bromo estão presentes nos célebres consoles Wii (Nintendo), Playstation 3 Elite (Sony) e Xbox 360 (Microsoft), aponta um relatório do Greenpeace Internacional, entitulado "Playing Dirty".

Os níveis de bromo encontraram no PS3 (13,8% do peso dos componentes analisados) e no Wii (12,5%) são consideradas "elevados" pela organização, que se baseou em análises realizadas em seu laboratório na Universidade de Exeter, na Inglaterra, posteriormente legitimadas por centros de pesquisa independentes.

Pelo menos dois tipos de ftalatos (utilizados como estabilizadores de plásticos PVC) também foram encontradas no Xbox e no PS3 em níveis que oscilam entre 10,6% e 27,5%, embora estas substâncias estejam "estritamente proibidas na fabricação de brinquedos para crianças vendidos na União Européia", segundo o Greenpeace.

"A UE não admite mais de 0,01% de ftalatos nos brinquedos: por mais estranho que pareça, os consoles de videogame não são considerados como tais, mas é inadmissível que contenham substâncias perigosas para o meio ambiente e para a saúde humana", destaca Zeina El Hajj, responsável por campanhas contra tóxicos do Greenpeace.

Mais de 60 milhões de consoles foram vendidos no mundo em 2007, o que equivale a um aumento de 14% em relação a 2006.

ach/ap/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG