Grécia enfrenta greve nacional contra plano de cortes de gastos

Funcionários públicos da Grécia realizam nesta quarta-feira uma greve nacional de 24 horas em protesto contra os planos do governo de cortar gastos para conter o alto déficit público do país. As dúvidas sobre a capacidade do governo grego conter o déficit vêm provocando temores entre os investidores de que o país não consiga honrar sua dívida, deixando o euro vulnerável e levando a quedas nas principais bolsas de valores do mundo nas últimas semanas.

BBC Brasil |

A greve desta quarta-feira provocou o cancelamento de voos e o fechamento de escolas. Alguns hospitais restringiram o atendimento ao serviço de emergência.

No centro de Atenas, uma grande manifestação foi dispersada pela polícia com o uso de bombas de gás lacrimogêneo.

O plano de austeridade do governo prevê o congelamento dos salários dos funcionários públicos, reformas nas pensões e mudanças no sistema tributário.

Os problemas econômicos da Grécia devem ser objeto de discussão durante uma reunião de cúpula da União Europeia na quinta-feira, em meio aos temores de que a crise possa ameaçar a credibilidade internacional do euro.

Investidores céticos
O déficit público da Grécia, de 12,7% do PIB, é mais de quatro vezes maior do que o permitido pelas regras da zona do euro impostas aos 16 países da União Europeia que adotam a moeda.

Muitos investidores internacionais se mantêm céticos sobre a possibilidade de que a Grécia consiga pagar sua dívida e acreditam que o país terá que receber socorro internacional.

Reportagens publicadas pela imprensa internacional nesta quarta-feira afirmam que a Alemanha, que antes se opunha a uma ajuda da União Europeia à Grécia, planeja propor uma "parede de contenção" do bloco para possivelmente garantir os pagamentos dos empréstimos gregos e acalmar os mercados, evitando que a crise se espalhe para outros países.

A incerteza também atinge outros países europeus com grandes déficits - Portugal e Espanha.

A possibilidade de a Grécia ou um desses outros países não conseguir pagar suas dívidas é considerada a maior ameaça já enfrentada pela moeda única europeia.

Protestos
Além da greve nacional desta quarta-feira na Grécia, o governo do primeiro-ministro George Papandreou já enfrenta um protesto de três semanas de fazendeiros que pedem maiores subsídios do governo.

Na terça-feira, o governo grego anunciou que pretende elevar a idade mínima para a aposentadoria para tentar reduzir o déficit no sistema previdenciário.

A medida se soma a uma série de outras ações para cortes de gastos, como o congelamento dos salários do setor público e o aumento nos preços dos combustíveis, anunciados na semana passada.

Outras medidas adotadas incluem a não reposição de funcionários que deixarem o serviço público e medidas para cobrar bilhões de euros em impostos evadidos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG