Grande Rabinato de Israel critica aborto por atrasar a chegada do Messias

Jerusalém - Os dois grandes rabinos de Israel dirigiram uma carta às comunidades judaicas locais dizendo que os abortos no país atrasam a chegada do Messias, informa nesta segunda-feira a edição digital do jornal Yedioth Ahronoth.

EFE |

"A imensa maioria dos abortos são desnecessários e estão proibidos pela Halajá (lei religiosa judia)", assinalam o grande rabino judeu Yona Metzger e o Shlomo Amar na carta.

No escrito, o Rabinato superior anuncia que estuda renovar a luta contra o aborto com a criação em seu seio de um comitê especial para tratar de impedir o "assassinato de fetos nos ventres de sua mãe".

Trata-se de uma "autêntica epidemia que leva a cada ano a vida de dezenas de milhares de judeus" e que "além da gravidade do pecado atrasa a chegada do Messias".

Metzger e Amar baseiam sua relação entre abortos e o atraso do Messias em que este não virá até que cheguem ao mundo todas as almas que deveriam provir de mães judias.

Os rabinos chefes calculam em torno de 50 mil as interrupções anuais da gravidez em Israel, 20 mil delas "de forma ilegal e contra a lei".

"Malditos aqueles que não se assustem com essas informações" em um país de 7 milhões de habitantes, assinalam os líderes religiosos judeus na carta, enviada ontem à noite.

Leia mais sobre: aborto

    Leia tudo sobre: abortoisraeljudeu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG