Grande missa na Noruega lembra as vítimas do duplo atentado

Primeiro-ministro norueguês afirma que 'cada um dos que nos deixaram é uma tragédia. Uma tragédia nacional'

iG São Paulo |

AP
Pessoas se abraçam durante missa em homenagem a mortos na Noruega
Centenas compareceram neste domingo à Catedral de Oslo para uma missa em memória dos mais de 90 mortos no duplo atentado de sexta-feira lançado na capital norueguesa e na colônia de férias da Ilha de Utoya, a 40 quilômetros de Oslo.

Além da missa em Oslo, houve funerais das vítimas em diversas partes do país. O rei norueguês Harald 5º e sua esposa, a rainha Sônia, estiveram na catedral juntamente com o primeiro-ministro, Jens Stoltenberg. O premiê disse aos presentes que os dois dias desde o ataque parecem "uma eternidade e as noites são repletas de angústia e lágrimas". "Cada um dos que nos deixaram é uma tragédia. Uma tragédia nacional", disse.

Stoltenberg disse conhecer vários dos mortos de sexta-feira, anunciando que os nomes e as fotos das vítimas serão publicados em breve. "A magnitude do mal emergiu naquele momento", disse o premiê trabalhista no discurso pronunciado com a voz embargada. O rei Harald 5º não pôde esconder as lágrimas.

Visivelmente emocionado, o professor de Direito da Universidade de Oslo Mads Andenas, que esperava sua vez na fila de acesso à igreja, disse: "Vim aqui porque uma de minhas alunas, uma fantástica ativista política de 21 anos que conhecia bem, foi assassinada em Utoya." Sua sobrinha também estava no acampamento da ala juvenil do governista Partido Trabalhista organizado na ilha, onde havia centenas no momento do ataque, que deixou mais de 85 mortos, em sua maioria menores de 20 anos. "Ela conseguiu escapar ilesa", disse Andenas ao falar da sobrinha com voz trêmula.

Como a Noruega é um pequeno país onde a maioria de seus 5 milhões de habitantes se concentra em Oslo e seus arredores, muitos foram atingidos pelas consequências do terror do duplo atentado.

Na fila da igreja, Freddy Fensen, morador da cidade de Moss, afirmou que uma amiga de sua filha estava em Utoya, "mas conseguiu escapar por sorte". "Venho só à missa. Por respeito às vítimas", explicou poucos minutos antes da cerimônia começar, às 11h locais (6h em Brasília), após um longo badalar de sinos.

Junto a ele caminhavam os jovens Eivind Pilskog e Roy Erik Indreboe, comovidos pela tragédia nacional que abalou a Noruega e, especialmente, pela juventude de muitas das vítimas. "Nunca poderia imaginar que algo assim poderia acontecer aqui. Não tem nenhum sentido, nenhuma lógica", comentou Eivind Pilskog, que disse que até agora sempre tinha tido um "sentimento de segurança" no país.

Os arredores da Catedral de Olso, no centro da capital e a poucos metros do distrito governamental alvo do carro-bomba do primeiro atentado , estão tomados por policiais, militares e bombeiros mobilizados pelos incidentes.

Apesar da dimensão da tragédia - " a pior desde a Segunda Guerra Mundial ", segundo o primeiro-ministro Jens Stoltenberg -, a tranquilidade predominava neste domingo em Oslo, apenas dois dias depois do duplo atentado.

A multidão de noruegueses que se aproximou da igreja - para comparecer à cerimônia religiosa, deixar flores e velas em frente à entrada - se comporta de maneira extremamente organizada, em meio ao angustiante silêncio de tristeza.

Na sexta-feira à tarde, após um potente carro-bomba explodir em frente ao quartel-general do governo norueguês, deixando ao menos sete mortos, um homem disfarçado de policial entrou no acampamento da Ilha de Utoya e atirou indiscriminadamente contra os jovens durante uma hora e meia , deixando mais de 85 mortos.

Até o momento, a polícia deteve um único suspeito, um norueguês de 32 anos chamado Anders Behring Breivik, um fundamentalista cristão, xenófobo e ultradireitista, que afirmou ser autor dos dois ataques . Em um manifesto online de 1,5 mil páginas atribuído a ele, o suspeito conclama à violência contra muçulmanos e comunistas.

*Com EFE e AFP

    Leia tudo sobre: noruegaexplosãoosloutoyanoruega sob ataque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG