O primeiro-ministro britânico Gordon Brown discute com o Palácio de Buckingham planos para mudar as regras de sucessão ao trono da Grã-Bretanha, incluindo a concessão de direitos iguais para mulheres membros da realeza. Também vem sendo discutido o fim da proibição de casamento entre católicos e herdeiros do trono, segundo informou o governo britânico nesta sexta-feira.

Brown afirmou que a população britânica deseja o fim da discriminação.

"Existem questões claras a respeito da exclusão de pessoas dos direitos de sucessão (ao trono) e existem questões claras que precisam ser enfrentadas. As respostas não são fáceis", disse Brown durante a visita ao Brasil.

"Acredito que no século 21 as pessoas esperam que a discriminação seja retirada e eles esperam que analisemos todas estas questões."
O líder da oposição, David Cameron, também apoia as propostas de mudança, mas lembrou que a rainha Elizabeth 2ª não é apenas a rainha dos britânicos.

"Ela é a rainha de todo o Commonwealth (a comunidade de ex-colônias britânicas) que têm ela como a Chefe de Estado, então esta não será uma mudança fácil", afirmou.

As mudanças na monarquia foram propostas pelo parlamentar do Partido Liberal Democrata Evan Harris.

Uma pesquisa da BBC sugere o público britânico apoia as mudanças, com 89% dos cerca de mil pesquisados aprovando a proposta de direitos iguais ao trono para mulheres.

Outros 81% são a favor de que o candidato ao trono possa se casar com uma católica e ainda se tornar monarca.

A grande maioria dos britânicos (76%) afirmou ser a favor da continuidade da monarquia após a morte da rainha e apenas 18% se disseram contra, com o país se tornando uma república.

As regras de sucessão do trono britânico foram determinadas por uma lei de 1701 e declaram que os herdeiros ao trono perdem o direito à soberania se eles se casarem com uma católica ou convertida. Além disso, herdeiros masculinos têm prevalência.

Se a lei foi mudada para dar às princesas direitos iguais, a princesa Anne se transformaria na quarta pessoa na linha de sucessão, atrás do príncipe Harry. Atualmente ela está atrás de vários outros nobres e seus filhos na linha de sucessão ao trono.

De acordo com a lei atual o príncipe William não poderia se casar com uma católica e ser o próximo rei. E se ele tiver uma filha, ela não poderia se transformar em rainha, caso ela tenha um irmão mais novo.

Príncipe Michael de Kent, primeiro primo da rainha, está entre o pequeno grupo de monarcas britânicos que renunciou ao lugar na linha de sucessão ao se casar com uma católica.

O correspondente da BBC para a monarquia britânica Nicholas Witchell afirmou que o príncipe Charles e seus assessores estão analisando as mudanças que devem ser feitas na monarquia quando ele finalmente substituir sua mãe no trono.

De acordo com Witchell a permissão para que herdeiros ao trono se casem com católicas poderá causar problemas, pois o rei ou a rainha da inglaterra acumula também o cargo de chefe da Igreja Anglicana.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.