Grã-Bretanha condena três por plano para explodir aviões em 2006

Islamitas britânicos planejavam detonar explosivos líquidos em pelo menos sete aviões com destino aos EUA e Canadá

AFP |

Três islamitas britânicos foram condenados nesta segunda-feira por uma corte londrina de conspiração para assassinato pelo plano frustrado de explodir aviões de voos transatlânticos com explosivos líquidos em 2006.

Ibrahim Savant, Arafat Waheed Khan e Waheed Zaman deverão passar pelo menos 20 anos atrás das grades, segundo o veredicto ditado pelo tribunal de Woolwich, sudeste da capital. Esse foi o terceiro julgamento para os acusados, depois que, nos dois anteriores, o júri não conseguiu chegar a um veredicto.

O complô, descoberto pela polícia em 2006, consistia em realizar atentados contra pelo menos sete aviões que partiriam do aeroporto londrino de Heathrow para diferentes destinos nos EUA e Canadá.

Segundo a acusação, que durante o julgamento não deixou de comparar o plano com os atentados do 11 de Setembro de 2001, os envolvidos usariam explosivos líquidos de fabricação caseira que pretendiam embarcar no avião, fazendo-os passar por bebidas energéticas para, depois, misturá-los e detoná-los a bordo.

O cérebro do grupo, Abddulah Ahmed Alí, e seu segundo em comando, Adam Khatib, já foram condenados à prisão perpétua no final do ano passado. A divulgação do plano levou as autoridades da aviação a limitar a quantidade de líquido que os passageiros podem levar em sua bagagem de mão, medida que segue vigente até hoje.

    Leia tudo sobre: terrorismoGrã-BretanhaEUACanadá

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG