Governos e companhias aéreas retiram estrangeiros do Egito

Lufthansa, Austrian Airlines, Hainan Air, Air China e Air Berlin enviam aeronaves para dar conta da demanda para deixar o país

Reuters |

Governos, companhias aéreas e operadoras de turismo agiram em conjunto na segunda-feira para retirar estrangeiros do Egito, onde os manifestantes intensificaram sua campanha para derrubar o presidente Hosni Mubarak.

AP
No aeroporto internacional do Cairo, turistas esperam voo para poder deixar o Egito
O Departamento de Estado dos Estados Unidos disse que mais de 220 cidadãos seus foram retirados até o momento do Egito, e mais de 2,4 mil pediram ajuda para deixar o país africano. O departamento informou que espera retirar do Egito na segunda-feira 900 americanos com voos partido para Atenas, Chipre e Istambul. Cerca de 52 mil americanos estão registrados na embaixada dos Estados Unidos no Cairo.

Companhias aéreas europeias, incluindo Lufthansa, Austrian Airlines e Air Berlin, afirmaram que estão enviando aeronaves maiores do que o habitual para o Egito a fim de dar conta da demanda e acertaram voos adicionais com ministérios estrangeiros.

A Air Partner, que trabalha com voos fretados, disse que estava trabalhando sem parar a fim de ajudar empresas de todos os tipos, entre petrolíferas, supermercados e grupos de telecomunicações, a retirar seus funcionários do país. "Até o fim do horário comercial hoje, teremos retirado 800 pessoas do Egito em 14 voos para uma série de locais seguros, incluindo Dubai, os Estados Unidos e a Europa", disse a empresa em um comunicado.

Autoridades na Turquia e em Chipre afirmaram que estavam fazendo planos contingenciais para receber os turistas retirados do Egito e conduzi-los a seus locais de origem.

Aeroportos

Testemunhas relataram cenas de caos no aeroporto do Cairo no domingo, com muitas pessoas, incluindo egípcios, disputando os lugares cada vez mais difíceis em voos regulares. A companhia nacional EgyptAir cancelou voos da madrugada na terça-feira, de acordo com a televisão estatal.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos avisou aos americanos no Twitter que se preparassem para uma espera "substancial" no aeroporto e que levassem comida, água e outros produtos necessários.

Duas companhias aéreas chinesas, a Air China e a Hainan Air, afirmaram que enviariam, cada uma, um voo fretado ao Cairo a fim de retirar os cidadãos chineses. Há ao menos 500 chineses presos no aeroporto internacional do Cairo, segundo uma autoridade consular chinesa na capital egípcia.

    Leia tudo sobre: egitohosni mubarakdia da iramanifestaçõesaeroportos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG