Governo suspende abertura de embaixada após teste nuclear norte-coreano

BRASÍLIA - O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, ordenou o adiamento da abertura da embaixada do Brasil na Coreia do Norte após o teste nuclear realizado hoje pelo país asiático, segundo fontes oficiais disseram à Agência Efe.

EFE |

O futuro embaixador brasileiro em Pyongyang, Arnaldo Carrilho, que viajaria em breve para a Coreia do Norte, teve sua ida cancelada até que a ONU defina se haverá ou não uma tomada de medidas para responder ao teste nuclear.

Em nota oficial, o Ministério das Relações Exteriores diz que o Governo "condena veementemente" o teste nuclear realizado pela Coreia do Norte.

Segundo o mesmo comunicado, o Brasil espera que o país asiático "se reintegre, o mais rapidamente possível e como país não nuclearmente armado, ao Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares".

Ainda de acordo com a nota, o Governo pede que a Coreia do Norte assine, "no mais breve prazo, o Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares" e observe "estritamente a moratória de testes nucleares".

O comunicado conclui ao dizer que o Brasil espera o retorno norte-coreano "com espírito construtivo" às negociações de seis lados abertas em 2003 com Estados Unidos, Rússia, Japão, China e Coreia do Sul, "visando à desnuclearização da Península Coreana, e apela a todas as partes para que se abstenham de atos que possam agravar as tensões nos contextos regional e global".

No último dia 11, o ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Pak Ui-Chun, fez uma visita oficial a Brasília, durante a qual o ministro Amorim já havia expressado a preocupação do Brasil pela delicada situação na Península Coreana. EFE ed/bba

    Leia tudo sobre: brasilcoréia do norte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG