MOSCOU/KIEV (Reuters) - O presidente russo Dmitry Medvedev instruiu a empresa Gazprom, nesta segunda-feira, a sustar o pagamento adiantado à Ucrânia pela passagem de gás natural pelo território do país. O anúncio foi feito pelo Kremlin em seu site na Internet, www.kremlin.ru. De acordo com a transcrição oficial feita pelo Kremlin de uma conversa entre Medvedev e o executivo-chefe da Gazprom, Alexei Miller, o presidente russo disse que a Rússia deve agir em conformidade com um acordo firmado em janeiro entre Moscou e Kiev.

A transcrição contradisse uma notícia divulgada anteriormente pela agência de notícias Interfax, segundo a qual Medvedev teria dito a Miller que este não deveria concordar em modificar as taxas pagas pela passagem do gás.

Segundo a transcrição feita pelo Kremlin, Miller teria dito a Medvedev que as taxas de passagem pela Ucrânia foram pré-pagas até o final do primeiro trimestre de 2010.

"No que diz respeito à ideia de pré-pagamento de tarifas, quero lhe fazer uma pergunta simples: esse acordo foi revisto?," perguntou Medvedev a Miller.

Miller disse que não.

"Então não pague," disse Medvedev. "Precisamos agir em concordância com o acordo fechado em janeiro."

Em Kiev, a primeira-ministra ucraniana Yulia Tymoshenko disse nesta segunda-feira que as taxas que a Rússia deve pagar no próximo ano para que o gás que vende à Europa possa passar por território da Ucrânia serão "significativamente mais altas" que as deste ano.

A estatal energética ucraniana Naftogaz tinha declarado anteriormente que a empresa russa Gazprom deve pagar em 2010 tarifas entre 57 e 60 por cento mais altas que as de 2009.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.