Governo quer mudar campanha eleitoral no México devido a gripe

México, 1 mai (EFE).- As autoridades de saúde do México recomendaram aos partidos e à Justiça eleitoral que as próximas campanhas políticas, que começam no domingo, aconteçam sem aglomerações e de preferência através de meios de comunicação.

EFE |

"As recomendações são no sentido de evitar aglomerações e sugerimos que as atividades aconteçam de outras formas, como por meios de comunicação", disse em coletiva de imprensa o secretário (ministro) de Saúde, José Ángel Córdova.

Córdova lidera o comitê governamental para enfrentar a situação causada pela epidemia da gripe suína, que castiga o país e já deixou 16 mortos e 381 pessoas infectadas.

De acordo com o calendário eleitoral, este ano acontecerão eleições federais em 5 de julho para renovar os 500 deputados da câmara baixa. Além disso, serão eleitos governadores, prefeitos e legisladores locais em 14 dos 32 estados do país.

O início da campanha ainda está previsto para o próximo domingo, apesar de o país viver uma situação de emergência em que foi ordenada a suspensão de todo tipo de eventos grandes.

Em 23 de abril, o Governo decretou um alerta sanitário depois que foi comprovada a presença de um vírus totalmente novo e agressivo, o AN1N1, conhecido como gripe suína.

Para frear a propagação do vírus, as autoridades ordenaram a suspensão de atividades escolares em todos os níveis, o cancelamento de eventos esportivos de massa e de entretenimento.

Além disso, foi ordenada a redução, de hoje até a próxima quarta-feira, de atividades econômicas que contribuam para a concentração de pessoas.

As medidas interferem nas campanhas políticas, por isso que o Instituto Federal Eleitoral (IFE) deverá analisar e determinar as formas dessas atividades ou seu adiamento caso necessário.

O secretário de Saúde explicou que se reuniu com as instituições eleitorais e com os presidentes dos partidos políticos para explicar a situação.

Córdova disse que também se pediu ao IFE que suspenda as atividades de capacitação dos cidadãos convocados para se encarregar do processo nas mesas eleitorais.

Os partidos políticos se somaram a essas preocupações e sugeriram o adiamento das campanhas e a redução dos mecanismos de propaganda política. EFE jrm/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG