Governo provisório pretende transformar Quirguistão em república parlamentar

Moscou, 9 abr (EFE).- O Governo provisório do Quirguistão anunciou hoje que transformará o país em uma república parlamentar e prosseguiu as consultas com enviados da União Europeia (UE), ONU e Rússia para obter apoio internacional e assistência econômica.

EFE |

A nova líder quirguiz, Rosa Otunbayeva, e outros dirigentes da oposição que derrubou o presidente, Kurmanbek Bakiev, participaram neste sábado do enterro de várias vítimas dos violentos choques que aconteceram entre as forças de segurança e os manifestantes na capital, Bishkek.

"Os que morreram no dia 7 de abril são heróis que sacrificaram sua vida pela democracia e para acabar com o regime autoritário", disse perante milhares de pessoas sobre as vítimas da violência, 79 mortos e cerca de 1.500 feridos, segundo os últimos dados.

Rosa anunciou que o Governo provisório vai projetar um marco jurídico para seu funcionamento nas atuais condições de vazio legal, com o presidente deposto refugiado no sudoeste do país, e seu Governo e o Parlamento, que estavam controlados por seu partido, dissolvidos.

A líder quirguiz disse à imprensa que pediu o apoio da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (Osce) para escrever uma nova Constituição, que modificará o rígido sistema presidencialista sustentado pelo regime de Bakiev por uma democracia parlamentar ao estilo europeu.

A nova Carta Magna seria votada em plebiscito dentro de dois ou três meses e, uma vez aprovada e liberalizado o sistema político do país, o Governo provisório convocaria dentro de meio ano eleições parlamentares e presidenciais, especificou.

O vice-primeiro-ministro quirguiz, Omurbek Tekebayev, explicou que o futuro sistema político do país impediria que um só partido, embora tenha arrasado nas eleições, controlasse mais da metade de cadeiras parlamentares.

Além disso, a oposição, seja qual seja for seu sinal político, teria garantida sua presença na Comissão Eleitoral Central e no Tribunal de Contas e presidiria os comitês parlamentares de Segurança e Orçamento.

Por outro lado, o enviado da Osce, Zhanibek Karibzhanov, declarou em Bishkek que o Governo provisório aceitou o pedido desta organização responsável da regra de conflitos para que dialogue com o presidente deposto.

"O poder no Quirguistão está de fato em algumas mãos, e por lei em outras. Este problema precisa de solução, as partes devem manter negociações", disse o diplomata cazaque. EFE se/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG