Lima, 15 jun (EFE).- O Governo peruano anunciou hoje que pedirá ao Congresso Nacional a anulação dos dois decretos mais polêmicos, que causaram os violentos protesto do dia 5 de junho, que deixaram 34 mortos em Bagua, no norte do país.

O primeiro-ministro do Peru, Yehude Simon, que viajou hoje para Junín, no centro do país para uma negociação com povos indígenas que tem protestado pelas mesmas razões, disse que seu Governo pedirá amanhã ao Congresso a anulação definitiva dos decretos legislativos número 1090 e 1064, segundo a agência oficial "Andina".

Os decretos regulam o uso e a exploração dos recursos hídricos e naturais da floresta, incluindo gás natural, petróleo e madeira. Os grupos indígenas pedem sua anulação por alegarem que seu conteúdo é lesivo a eles e porque não respeitam os mecanismos de consulta legais.

Além disso, Simon anunciou que amanhã declarará estado de emergência em Bagua, outra das principais reivindicações dos indígenas para retomar as negociações.

Na quarta-feira passada, o Congresso suspendeu esses dois polêmicos decretos, mas os movimentos indígenas não consideram suficiente e exigiram sua anulação definitiva.

Falta ao Congresso voltar a anulação e a reação dos grupos indígenas, que exigiam, além disso, a anulação de oito outros decretos, embora o 1090 e o 1064 sejam os mais polêmicos. EFE fjo/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.