Washington, 11 jan (EFE).- A Casa Branca saiu hoje em defesa do presidente do Senado americano, o democrata Harry Reid, envolvido em uma polêmica por comentários a respeito da origem racial do presidente Barack Obama.

Segundo o livro "Game Change", que começa a ser vendido nesta terça-feira, o líder dos democratas disse durante a última campanha presidencial que o país estava pronto para eleger um candidato negro, "especialmente um como Obama, um afro-americano de pele clara que não usa dialeto negro, a menos que queira".

No último sábado, Reid entrou em contato com o presidente para pedir desculpas pelos comentários. No mesmo dia Obama disse que tinha aceitado e afirmou que "o capítulo estava encerrado".

"Aceitei a desculpa de Harry, sem dúvida nenhuma, pois lhe conheci durante anos, vi a liderança apaixonada que demonstrou em assuntos de justiça social e sei o que sente em seu coração", disse Obama.

No entanto, políticos republicanos exigiram a renúncia de Reid e lembraram que em 2002 o então presidente dos republicanos, Trent Lott, teve que apresentar sua demissão após manifestar admiração pelo político racista Strom Thurmond.

Em conversa com jornalistas, o porta-voz da Casa Branca, Roberts Gibbs, negou que existisse alguma semelhança entre os casos.

"Não entendo como alguém pode fazer uma analogia deste tipo.

Sugiro que leiam história durante uns 20 segundos", indicou. EFE ojl/fm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.