Governo mexicano condena ataque contra chefe de Polícia

México, 24 abr (EFE).- O Governo do México condenou hoje o atentado que a secretária de Segurança Pública de Michoacán, Minerva Bautista Gómez, sofreu na madrugada e o considerou um ato covarde resultado do desespero das organizações da delinquência organizada.

EFE |

A Secretaria de Governo (Interior) rejeitou em comunicado após a ação de ontem à noite "qualquer ato de violência que, à margem da lei, tentem intimidar o Estado".

O veículo da chefe da Polícia estadual do estado de Michoacán recebeu mais de 200 tiros e foi atacado com granadas, segundo os dados preliminares.

"Este ato covarde mostra o desespero das organizações da delinquência organizada às que, cada vez mais, a autoridade fechou seus espaços e margens de manobra para exercer atividades ilícitas", indicou o Governo.

O Executivo se uniu, além disso, à indignação da sociedade da cidade perante o ataque de supostos pistoleiros "ocorrido de madrugada, no qual morreram dois guarda-costas da funcionária e dois civis ainda não identificados.

Na nota o Governo do presidente Felipe Calderón referendou "seu respaldo ao Governo de Michoacán", liderado pelo governador esquerdista Leonel Godoy.

Além disso, se comprometeu a "continuar com os esforços coordenados em matéria de combate ao crime organizado com o objetivo que cada um dos michoacanos possa exercer plenamente suas liberdades e direitos, e assim possam recuperar sua tranquilidade".

Também hoje se celebrou na capital mexicana uma cerimônia de luto em lembrança dos seis policiais federais assassinados nesta sexta-feira em uma emboscada ocorrida em Ciudad Juárez, localidade fronteiriça com a americana El Paso, no estado do Texas.

O secretário de Segurança Pública federal, Genaro García Luna, liderou a homenagem, celebrada no Centro de Comando em Iztapalapa.

"No lugar, (os agentes falecidos) foram recebidos por seus companheiros, familiares e comandantes da instituição, que lhes prestaram homenagem como último adeus", detalhou a Secretaria de Segurança Pública (SSP) em comunicado.

García Luna condenou "os ataques dos criminosos contra policiais federais" e fez um chamado a Polícia, que lidera, para "redobrar o esforço e a convicção no combate ao crime".

Desde que assumiu o poder, em dezembro de 2006, Felipe Calderón empreendeu uma luta frontal contra os poderosos cartéis da droga e o crime organizado no México.

Até o dia 13 de abril 22.743 pessoas perderam a vida no país pela ação desse grupos, segundo dados oficiais do Senado. EFE act/pb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG