TEGUCIGALPA - O governo interino de Honduras aponta as próximas eleições como uma saída para o conflito político do país e uma forma de escapar da condenação internacional pelo golpe de Estado.

O governo abriu a porta a uma anistia para o presidente deposto Manuel Zelaya, mas ele insiste que retornará como presidente do país centro-americano.

O governo interino acusa Zelaya de traição da pátria, abuso de poder e corrupção após o presidente deposto tentar modificar a Constituição para abrir a possibilidade de reeleição.

"Acredito que adiantar as eleições é uma proposta que não é descabida. Poderia ser uma solução para este problema", disse no domingo à Reuters o presidente de fato, Roberto Micheletti.

Leia também


Entenda

Leia mais sobre Honduras

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.