Governo hondurenho afasta 16 diplomatas fiéis a presidente deposto

Tegucigalpa, 17 jul (EFE).- O Governo hondurenho liderado por Roberto Micheletti desde a deposição de Manuel Zelaya, em 28 de junho, anunciou hoje que afastou de suas funções 16 diplomatas do país no exterior, fiéis ao presidente deposto.

EFE |

O anúncio foi feito pela Secretaria de Relações Exteriores em comunicado, no qual explica que foi pedida a intervenção do Tribunal Superior de Contas e da Procuradoria Geral do Estado, "em vista de que algumas destas pessoas estão usurpando cargos e retendo bens do Estado".

Os dois organismos adotarão "as medidas cabíveis pelo direito", acrescenta a nota oficial.

Entre os 16 diplomatas destituídos estão Carlos Sosa Coello, embaixador perante a Organização dos Estados Americanos (OEA), em Washington; Jorge Arturo Reina, nas Nações Unidas, em Nova York; e Germán Espinal, na Venezuela.

Outros embaixadores afastados de seus cargos, segundo a nova Secretaria de Relações Exteriores de Honduras, são Rafael Murillo, no Equador; Juan Ramón Elvir, em Cuba; Juan Alfaro Posadas, no Panamá, e Rosalinda Bueso, no México.

Zelaya foi deposto em junho pelos militares e enviado à Costa Rica.

No mesmo dia em que foi deposto ele foi substituído por Roberto Micheletti, por designação do Parlamento hondurenho. A comunidade internacional não reconhece o novo Governo e exige a restituição do presidente deposto. EFE gr/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG