Governo fecha escolas e universidades na Tunísia

Fechamento ocorre em meio a protestos e distúrbios contra escassez econômica e desemprego, em que ao menos 14 morreram

iG São Paulo |

O governo tunisiano anunciou esta segunda-feira o fechamento de escolas e universidades em todo o país, afetado por distúrbios e protestos contra a escassez de gêneros alimentícios e o desemprego desde meados de dezembro.

"Após os distúrbios ocorridos em alguns estabelecimentos, decidiu-se suspender os cursos até nova ordem a partir de terça-feira", anunciaram conjuntamente os ministérios da Educação e do Ensino superior.

AFP
Tunisiano protesta contra desemprego em Regueb
"À espera de que terminem as investigações abertas para determinar as responsabilidades dos atos de vandalismo cometidos, os exames atualmente em curso nas universidades serão suspensos e adiados para uma data posterior", destacou a fonte.

A decisão foi tomada enquanto uma manifestação de estudantes era dispersada pelas unidades antimotins no centro da capital Túnis.

Feridos

Segundo fontes sindicais e testemunhas, um estudante ficou ferido e oito detidos em manifestações na cidade universitária de Túnis. Os cursos foram ou suspensos ou sofreram interrupções desde que foram retomados em 3 de janeiro, após as férias de fim de ano.

No domingo, ao menos 14 e várias ficaram feridas em enfrentamentos com a polícia nas cidades de Thala e Kaserin, no centro-oeste da Tunísia. As vítimas no confronto, acredita-se, protestavam contra desemprego, frustração e raiva do governo e da elite local.

O presidente da Tunísia, Zine El Abidine Ben Ali, defendeu seu governo diante das manifestações contra desemprego, e prometeu criar mais postos de trabalho.

AFP
Forças de segurança da Tunísia preparam contra-ataque contra manifestantes
*Com AFP

    Leia tudo sobre: tunísiaprotestosdesemprego

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG