Governo faz alerta sobre aniversário da morte de líder das Farc

Bogotá, 15 fev (EFE).- O ministro da Defesa colombiano, Juan Manuel Santos, falou hoje sobre o primeiro aniversário da morte do fundador e chefe máximo das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Manuel Marulanda Vélez, que será lembrado em 26 de março com o Dia do Direito Universal à Rebelião Armada.

EFE |

Em entrevista à agência de notícias "Colprensa", Santos afirmou que as Farc tentarão lançar o "26 de Março, Dia do Direito Universal à Rebelião Armada".

A comemoração é promovida pela Coordenadoria Simón Bolívar (CSB) da Venezuela e por grupos afins a essa no mundo, por uma iniciativa apresentada em 26 de setembro do ano passado, na inauguração de um busto de Marulanda no bairro 23 de Enero de Caracas.

A homenagem, que gerou mal-estar na Colômbia, foi realizada por ocasião dos seis meses da morte do chefe guerrilheiro, que morreu após sofrer um ataque cardíaco em seu acampamento nas selvas da Colômbia.

Pedro Antonio Marín, o nome verdadeiro de Marulanda, fundou as Farc em 1964 e, até sua morte, era considerado o comandante-em-chefe da organização e liderava o Secretariado do Estado-Maior Central da guerrilha.

O ministro fez o alerta sobre a data ao se referir a um plano dos rebeldes que "procura dar a sensação, através de atos terroristas, de que as Farc ainda estão vivas e fortes. Querem mostrar que estão mais fortes do que realmente estão", afirmou Santos.

Neste contexto, ele disse que "os atos terroristas possivelmente vão continuar", porque esta prática "faz parte do que (as Farc) têm planejado". EFE jgh/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG