Governo dos EUA promete menos erros em operações de segurança aérea

A vigilância de passageiros aéreos por parte do governo americano ficará a cargo da TSA, agência de segurança aeronáutica, segundo regulamento anunciado nesta quarta-feira com o objetivo de reduzir os erros que levam inocentes a serem tratados como suspeitos de terrorismo nos aeroportos.

AFP |

A nova regulamentação, batizada de "Secure Flight" ("vôo seguro"), "ajudará a proteger os viajantes, ao criar um processo de identificação de passageiros mais eficaz para reduzir os erros de registro", explicou nesta quarta-feira o secretário de Segurança Interna, Michael Chertoff, destacando que "a ameaça no transporte aéreo americano é constante".

Desde as medidas de segurança tomadas após os ataques de 11 de setembro de 2001, as companhias aéreas assumiram a responsabilidade de recolher as identificações de seus passageiros e compará-las com as listas de pessoas proibidas de voar, o que conduz a vários erros.

Dezenas de milhares de passageiros já pediram para ser retirados destas listas de vigilância, onde com freqüência vão parar simplesmente porque seu nome se parece com o de um suspeito.

A partir do início de 2009, no entanto, as companhias aéreas passarão essa informação - ou seja, nome, data de nascmento e sexo do viajante - diretamente à TSA, e a comparação será feita pela própria agência, de posse das listas de indivíduos suspeitos de terrorismo.

Chertoff disse ainda que há uma lista com 2.500 nomes de pessoas proibidas de voar, e outra com 16.000 pedsoas, classificadas como "selecionadas", que em sua maior parte são americanos que poderão embarcar após uma verificação adicional.

O novo regulamento se refere a passageiros em vôos internacionais e domésticos.

vmt/ap/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG