Washington, 12 nov (EFE).- O Departamento do Tesouro americano exigiria que as empresas privadas que participarem do pacote de ajuda financeira de US$ 700 bilhões aprovado em outubro cumpram algumas condições prévias, afirmou hoje o diário The Wall Street Journal.

Entre elas, está a que obtivessem novo capital privado se quiserem poder ter acesso aos recursos públicos.

O Governo do presidente americano, George W. Bush, já distribuiu cerca de US$ 163 bilhões desses fundos, sem muitas condições.

Os bancos beneficiados, segundo diversos meios de comunicação, usaram os fundos para aumentar seu capital, pagar dividendos e compensações a seus executivos e adquirir outros bancos, em vez de promover os empréstimos ao público e às empresas.

De fato, o Federal Reserve (Fed, banco central americano) e outras três agências reguladoras emitiram hoje um comunicado pedindo aos bancos para utilizar o dinheiro recebido para fortalecer seu capital, e não revertê-lo em um aumento do dividendo pago aos acionistas.

No comunicado, também incentivam as entidades financeiras a reativar a concessão de novos empréstimos aos clientes solventes, e a trabalhar com aqueles que entraram em uma fase de inadimplência para evitar que percam suas casas.

Enquanto isso, o Governo continua com seu plano de resgate, e esta semana decidiu ampliar para US$ 150 bilhões sua intervenção na seguradora American International Group (AIG), enquanto cresce em Washington a pressão política para que a ajuda se estenda às empresas fabricantes de veículos automotores.

O "Wall Street Journal" informa hoje que, diante de futuros planos, o Departamento do Tesouro colocará condições prévias, e "requereria que as firmas que pedirem ajuda do Governo obtenham capital privado se quiserem se qualificar para a ajuda governamental".

"Estas medidas não seriam aplicadas ao programa já existente, que usará US$ 250 bilhões e que já está injetando dinheiro nos bancos", acrescentou. EFE jab/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.