Governo dos EUA assume controle de firmas de hipoteca

Autoridades americanas anunciaram neste domingo que o governo está assumindo o controle das empresas de hipoteca Freddie Mac e Fannie Mae. O presidente dos Estados Unidos, George W.

BBC Brasil |

Bush, disse que a medida foi necessária porque as empresas representam "um risco inaceitável" para a economia.

"Colocar essas companhias em condições financeiras sólidas e reformar suas práticas comerciais é critico para a saúde do nosso sistema financeiro", afirmou Bush em comunicado.

Segundo ele, a medida é "temporária" e vai ajudar a financiar moradias no curto prazo.

A ação do governo é uma das maiores do gênero na história americana e tem o objetivo de manter as empresas abertas, em meio a temores de que possam falir à medida que muitos clientes estão atrasando o pagamento de suas hipotecas.

As duas empresas são cruciais no mercado imobiliário americano, já que juntas são responsáveis pela metade de todas as hipotecas dos Estados Unidos e foram fortemente atingidas pela crise no setor.

A Freddie Mac e a Fannie Mae anunciaram recentemente perdas de bilhões de dólares.

Crise
Os números mais recentes dizem que cerca de 9% dos proprietários de residências nos Estados Unidos estão com pagamentos atrasados ou podem perder suas casas.

Como parte do plano anunciado pelo governo, o gerenciamento das duas empresas será substituído e as companhias terão acesso a financiamento extra para garantir que continuem em funcionamento.

O secretário do Tesouro, Henry Paulson, falou sobre o plano em uma entrevista coletiva.

Ele disse que os níveis das dívidas das empresas representam um "risco sistêmico" para a estabilidade financeira.

"Nós examinamos todas as opções disponíveis e determinamos que esse grupo abrangente e complementar de ações melhor atende aos objetivos de estabilidade do mercado, disponibilidade de hipotecas e proteção do contribuinte", disse Paulson.

Em julho, o Congresso americano aprovou um plano que dava ao governo a autoridade para oferecer liquidez ilimitada às duas empresas e para comprar suas ações com o objetivo de evitar sua falência.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG