Governo do Sri Lanka diz ter derrotado rebeldes

O presidente do Sri Lanka declarou vitória militar sobre os rebeldes do grupo Tigres de Libertação da Pátria Tâmil neste sábado, depois de 26 anos de guerra civil. Falando durante visita à Jordânia, Mahinda Rajapakse disse que voltaria para um país totalmente livre dos atos barbáricos do grupo rebelde.

BBC Brasil |

Mas autoridades cingalesas disseram à BBC que ainda há confrontos entre o exército e a líder dos Tigres de Libertação em uma pequena área, no nordeste do país, onde os rebeldes estariam encurralados.

Mais de 70 mil pessoas morreram na guerra civil, em que os rebeldes lutam por uma pátria Tâmil.

As últimas semanas do conflito forma marcadas pela crescente preocupação internacional com o destino dos civis da comunidade Tâmil, presos em meio ao fogo cruzado.

Segundo o governo cingalês, mais de 18 mil civis deixaram a zona de conflito nas últimas 48 horas, mas há informações de que um número ainda maior permanece na área onde, teme-se, os rebeldes estariam se preparando para lutar até a morte.

A ONU e os governos de alguns países ocidentais pediram calma ao governo cingalês na sua busca pela vitória sobre os Tigres de Libertação da Pátria Tâmil.

Neste sábado, o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, disse que haverá "consequências" se o governo do Sri Lanka não procurar encerrar o conflito de forma ordenada.

Fim da guerra
A liderança dos rebeldes já disse repetidas vezes que não vai se render, e acredita-se que eles estariam usando milhares de civis como escudos humanos.

Também há informações de que os Tigres estariam se preparando para um suicídio coletivo, diante da derrota.

Mais cedo, o ministro da Defesa cingalês disse à BBC que o Exército está cercando o último reduto rebelde.

"Nós restringimos os rebeldes do grupo Tigres de Libertação da Pátria Tâmil a uma área de um quilômetro quadrado. Nós vamos varrê-la e capturar o restante dos rebeldes e sua liderança", disse Gotabhaya Rajapakse.

Segundo o ministro, o Exército não sabe exatamente como encontrar o líder rebelde Vellupillai Prabhakaran, mas demonstrou confiança em que ele seria rastreado.

"Se ele não tiver cometido suicídio, deve estar por lá", disse Rajapakse.

Prabhakaran começou a lutar por um Estado independente para a minoria tâmil do Sri Lanka no início dos anos 70. A campanha se tornou uma violenta guerra civil em 1983.

Encurralados
A captura da última área costeira em poder dos rebeldes no início deste sábado foi vista como um avanço decisivo do Exército cingalês.

Pela primeira vez durante a luta, os rebeldes não têm acesso ao mar.

Falando depois do pronunciamento do presidente, o brigadeiro Udaya Nanayakkara disse que a ação militar no nordeste continua, e qualificou-a como "uma operação de resgate humanitário".

No passado, os rebeldes se gabaram de ter forte capacidade militar naval, usando barcos com frequência para lançar ataques mortais durante os anos de guerrilha.

A TV estatal mostrou imagens de explosões e colunas de fumaça subindo perto da costa, assim como imagens de soldados comemorando próximo à região.

O Exército afirma que as imagens provam que os Tigres estão explodindo seus próprios estoques de munição, mas a informação não foi confirmada por nenhuma fonte independente.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG