Governo do Quirguistão decide fechar base aérea dos EUA

O governo do Quirguistão decidiu nesta quarta-feira fechar uma base aérea dos Estados Unidos nesta antiga república soviética da Ásia Central, de vital importância para as forças da Otan no Afeganistão, anunciou um porta-voz governamental.

AFP |

Como a Rússia desejava, o governo aprovou o fechamento da base de Manas, na periferia de Biskek, e enviou ao Parlamento um projeto de lei nesse sentido, indicou o porta-voz Marat Kidiraliev.

O projeto de lei se refere ao "cancelamento de acordo com os Estados Unidos sobre a presença no Quirguistão de uma base aérea americana", afirmou o porta-voz, acrescentando que o Parlamento debaterá a iniciativa na quinta-feira.

O presidente quirguiz, Kurmanbek Bakiyev, já havia afirmado na terça-feira, em Moscou, que seu governo decidira fechar a base de Manas, cuja existência neste território soviético contrariava profundamente a Rússia. Minutos antes, o Kremlin havia concedido um crédito de dois bilhões de dólares a seu país.

Há muito tempo a Rússia queria o fechamento das instalações estratégicas para o fornecimento das forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Afeganistão, situadas no aeroporto de Manas de Biskek, perto de infraestruturas do Exército russo.

A base americana de Manas (1.200 militares) serve desde o final de 2001 de plataforma de apoio logístico às tropas da comissão internacional lideradas pelos Estados Unidos no Afeganistão.

A Rússia pressiona, em seu retorno diplomático, as antigas repúblicas soviéticas, em particular no setor-chave para a defesa, apesar do choque que a situação cria com os interesses dos Estados Unidos, que dizem querer melhorar as relações com Moscou.

Sete ex-repúblicas soviéticas assinaram nesta quarta-feira, em Moscou, um acordo para a criação das "Forças Armadas coletivas de reação" visando a responder a ameaças externas.

Os signatários são a Rússia, Armênia, Belarus, Cazaquistão, Uzbequistão, Tadjiquistão e Quirgistão.

Na véspera, Rússia e Belarus assinaram um acordo sobre a criação de um sistema unificado de defesa antiaérea.

Em novembro de 2005, uma base militar aberta em 2001 pelos Estados Unidos no Uzbequistão, outra ex-república soviética, na fronteira com o Quirguistão, sofreu o mesmo destino que a desse último país.

O fechamento de Manas é muito vantajoso para a Rússia. "A influência de Moscou nesta região será reforçada assim", explicou Andrei Grozin, especialista em Ásia Central.

Além de muito representativo, o fechamento está acompanhado de outras iniciativas. De fato, nesta quarta-feira voltou a funcionar uma estação de radar modernizada pelos militares russos na região quiguízia de Chui.

A reação da embaixada americana em Biskek foi imediata, dando a entender que Washington não tem a intenção de se dar por vencido, apesar desse revés.

"Temos toda uma série de projetos e interesses que continuaremos promovendo ante o governo e a população do Quirguistão", assinalou a embaixada, que assegura que Biskek ainda não notificou oficialmente a decisao de fechar as instalações americanas.

tol-neo/cn/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG