Governo diz que balanço da Aerolíneas Argentinas deve seguir lei

Buenos Aires, 13 out (EFE).- O Governo argentino disse hoje que não aprovará os balanços da Aerolíneas Argentinas caso não estejam devidamente auditados pela Auditoria Geral da Nação (AGN), da forma que está previsto na lei que regula intervenções estatais.

EFE |

"Nós tínhamos pedido que (os balanços) fossem devidamente auditados pela AGN. Caso isso não seja aceito, ou se pedirá mais dias ou se verá" o que fazer, disse o secretário de Transporte argentino, Ricardo Jaime, em declarações à imprensa local.

O grupo Marsans e o Governo de Cristina Fernández de Kirchner assinaram em 17 de julho passado uma ata para a transferência ao Estado da participação acionária da firma espanhola na companhia aérea argentina.

A ata estabeleceu 60 dias úteis para chegar a um acordo de compra e venda, que vence nesta terça-feira, quando se prevê que os acionistas - Marsans e o Estado como minoritário - se reúnam para pôr a consideração a aprovação do balanço de 2007 e a gestão da diretoria.

O balanço apontou uma perda líquida de 80 milhões de pesos (US$ 24,6 milhões).

Na quinta-feira passada uma comissão do Parlamento argentino denunciou "irregularidades e descumprimentos" da Aerolíneas Argentinas por se negar a entregar documentos à Auditoria Geral da Nação. EFE ms/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG