Governo de Taiwan em final de mandato inicia manobras militares

Taipé, 22 abr (EFE).- O Governo de Taiwan em final de mandato iniciou hoje manobras militares que simulam a defesa diante de uma invasão chinesa, sem a participação do presidente eleito da ilha, Ma Ying-jeou.

EFE |

Os exercícios bélicos ocorrem pouco mais de uma semana após um histórico encontro entre o vice-presidente eleito de Taiwan, Vincent Siew, e o presidente da China, Hu Jintao, e enquanto um grupo de empresários chineses explora o mercado imobiliário da ilha.

A recusa do presidente eleito de Taiwan em assistir os exercícios militares faz com que estas sejam um assunto do Governo ainda em funções, que as considera necessárias.

"O rearmamento chinês nos últimos 15 anos torna necessárias as manobras", disse o presidente de Taiwan em fim e mandato, Chen Shui-bian.

É imperativo realizar este tipo de prática, para garantir que o Governo possa responder a um eventual ataque chinês, disse o líder taiuanês, que termina seu mandato em 20 de maio.

Os tanques taiuaneses saíram hoje às ruas de Taipé para chegar ao centro de comando na capital taiuanesa, onde estava o atual presidente da ilha.

Enquanto os militares realizavam manobras e movimentos de tropas, um grupo de magnatas chineses inspecionava investimentos no setor imobiliário e turístico da ilha.

O presidente eleito de Taiwan, Ma Ying-jeou, prometeu liberalizar o transporte e os contatos comerciais e de investimentos com a China, incluindo a abertura do setor imobiliário aos capitais chineses.

Ma também espera que a China permita que seus cidadãos realizem visitas turísticas à ilha, e planeja vôos diretos especiais semanais entre os dois lados do Estreito de Formosa e a conversibilidade do iuane chinês em Taiwan.

Chen Shui-bian limitou os vôos diretos e os investimentos nos dois sentidos, temeroso de que a China utilizasse esses canais para se infiltrar na ilha. EFE flp/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG