Havana, 3 jul (EFE).- A Comissão Cubana de Direitos Humanos (CCDH) anunciou que já foi libertada grande parte dos cerca de 20 opositores que, de acordo com cálculos da entidade, foram detidos hoje pelo Governo no começo da manhã.

Elizardo Sánchez, presidente da comissão, considerada ilegal pelo Executivo da ilha, disse à Agência Efe que Francisco Chaviano, René Montes de Oca e outros dez dissidentes já foram soltos.

O grupo, que participaria de uma reunião, ficou várias horas detido em dependências da Polícia de Havana, e todos os opositores que não vivem na capital foram mandados de volta para casa.

"Os que foram levados para suas províncias ainda estavam sob custódia", disse Sánchez, que de manhã havia falado de sete detenções, número que, segundo ele, "tranquilamente" chegou a 20.

De acordo com o ativista, até agora não há notícias de outros detidos, como Julio César López, Emilio Leiva Pérez, Leonardo Bruzón e dois opositores da província oriental de Las Tunas ainda não identificados.

Além disso, por volta das 15h30 (14h30 de Brasília), foi detido Minaldo Ramos Salgado.

A comissão também confirmou que entre os já libertados estão Jorge Luis García Pérez e sua mulher, Iris Pérez, assim como Alejandro Tur, Carlos Cordero, Lourdes Esquivel, José Díaz Silva, Tania de la Torre, Bartolo Palomino, José Manuel de la Rosa e Eliecer Sotolongo. EFE jlp/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.