Bogotá, 8 jul (EFE) - O Governo da Colômbia se declarou hoje disposto a um encontro com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) para negociar uma troca de reféns por rebeldes presos ou um acordo de paz, depois que o líder do grupo, Alfonso Cano, aceitou um contato direto com o Executivo. O ministro do Interior e Justiça, Fabio Valencia Cossio, disse que o Governo cogita negociar um acordo humanitário ou um diálogo de paz com as Farc, perante a proposta de Cano, apelido de Guillermo León Sáenz. O Governo, através do alto comissário para a Paz, Luis Carlos Restrepo, disse que está disposto a dialogar diretamente com a guerrilha (...

). De modo que, se as Farc concordarem com isso, o presidente (Álvaro Uribe) está pronto ao acordo humanitário ou à negociação política", disse.

Um comunicado das Farc divulgado hoje por um programa de televisão, mas datado de junho, indica que o guerrilheiro aceita "um contato direto" com o Governo colombiano "para a troca humanitária".

A proposta "para nos encontrar com o Governo nacional para estabelecer os termos de um acordo continua vigente", assim como "a decisão de manter comunicação", diz Cano no comunicado, datado antes do resgate de Ingrid Betancourt, três americanos e onze policiais e militares reféns da guerrilha em 2 de julho.

O líder das Farc afirma que o grupo persistirá nos "esforços para alcançar a paz democrática pelas vias civilizadas do diálogo", como, segundo ele, "faz há 44 anos".

Cano substituiu na chefia das Farc "Manuel Marulanda" ou "Tirofijo", que morreu em 26 de março. EFE fer/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.