Governo colombiano espera que o pedido de Chávez às Farc se torne realidade

O ministro da Defesa da Colômbia, Juan Manuel Sants, declarou nesta segunda-feira esperar que o pedido do presidente venezuelano, Hugo Chávez, à guerrilha das Farc para que liberte os reféns se traduza em realidade.

AFP |

"Tomara que isso se traduza em fatos. Nosso objetivo fundamental e estratégico é que nossos vizinhos colaborem na luta contra o terrorismo", afirmou o ministro à rádio Caracol.

O governo colombiano manifestou na véspera sua surpresa com o apelo de Chávez.

"Chávez é um grande defensor e aliado (da guerrilha), e nos surpreende que tenha agido desta maneira", disse o ministro do Interior e Justiça, Carlos Holguín, à imprensa.

"Mas isto é bom, tomara que as Farc escutem a mensagem de Chávez", destacou Holguín.

"Acho que chegou a hora das Farc libertarem todos os (seqüestrados) que mantêm na montanha a troco de nada. Seria um grande gesto humanitário", afirmou Chávez no "Alô Presidente", seu programa dominical de rádio e TV.

Chávez disse que voltou a pedir a libertação dos reféns porque "agora há um novo chefe à frente das Farc", e exortou Alfonso Cano a "buscar os mecanismos para que todos sejam soltos".

O presidente disse ainda que "a essa altura na América Latina, está fora de ordem um movimento guerrilheiro armado e isso deve ser dito às Farc".

Essa é a primeira vez que Chávez envia uma mensagem para Alfonso Cano desde que ele foi anunciado como o número um das Farc, em maio passado.

Cano assumiu a direção das Farc após a guerrilha confirmar a morte, no final de março, do fundador e líder histórico, Manuel Marulanda, conhecido como "Tirofijo".

Leia mais sobre: Farc

    Leia tudo sobre: farc

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG