Governo Chávez pede punição a jornal opositor por texto de humor

Caracas, 30 jan (EFE).- O Governo Hugo Chávez anunciou que pedirá oficialmente ao Ministério Público (MP) uma punição ao diário opositor Tal Cual, de Caracas, por um texto de humor estampado na capa da edição de sexta-feira.

EFE |

Com o título "Governo denuncia que diário privado 'Tal Cual' incita a violência", a estatal agência de notícias "ABN" publica que o Ministério da Comunicação e Informação emitiu um comunicado ressaltando que o diário do dirigente opositor Teodoro Petkoff "desrespeita a democracia venezuelana".

"Além disso, faz uma chamada flagrante ao desconhecimento da ordem constitucional e incita a violência como via de luta política para conseguir o que (os opositores) sabem que não poderão conseguir jamais através da via eleitoral", diz a nota do Ministério.

Usando fotografias de incidentes de rua, do cubano Fidel Castro, do nicaraguense Daniel Ortega e outras, e com o título de "Venezuela sem Esteban" (em alusão a Chávez) e evidenciando uma "clássica cartilha fascista", segundo o Ministério, o editor Laureano Márquez imaginou um país pós-Chávez.

"Na primeira página é mostrada uma imagem que faz alusão a como seriam os primeiros dias posteriores ao golpe de Estado. Se justifica o uso da violência social, da guerra civil, como forma de chegar ao poder", segundo a interpretação do Governo contida no comunicado governamental.

Márquez escreveu, por sua vez, que um dia depois da saída de Chávez "grupos armados pró-Governo anterior" destruirão "o que resta do país, que felizmente era muito pouco".

O jornalista imagina que Chávez fugiu para Cuba e que os deputados que foram leais a ele "começam a notar que as leis que aprovaram antes são bastante antidemocráticas".

Vinte anos depois, acrescenta Márquez, "morre oficialmente Fidel Castro e Raúl pede a Esteban que abandone Cuba".

Tudo, segundo a nota ministerial, "representa uma agressão, uma provocação e uma falta de respeito à democracia venezuelana", assim como "um convite a um plano golpista, genocida e terrorista, que é mascarado através do humor".

Em 2007, Márquez publicou também na capa do "Tal Cual" uma carta humorística a uma filha de Chávez. O jornalista foi multado em US$ 50 mil, montante arrecadado em uma coleta pública. EFE ar/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG