Governo britânico anuncia novo pacote de ajuda aos bancos

O governo britânico anunciou um segundo pacote de medidas para encorajar os bancos a voltarem a emprestar dinheiro. A longa lista de medidas inclui um esquema de seguro para evitar que os bancos percam mais dinheiro com as chamadas dívidas podres, que deram início à crise do crédito.

BBC Brasil |

Os bancos terão que pagar pelo seguro, mas o governo já avisou que não espera ser pago em ações - como foi o caso em um pacote anterior anunciado pelo governo, que trouxe poucos resultados.

O primeiro-ministro, Gordon Brown, condenou os bancos que sofreram perdas com empréstimos "irresponsáveis" e disse que o novo esquema "é temporário, baseado em empréstimos em vez de concessões".

Bens de risco

No novo esquema de seguro, os bancos terão que entrar em acordo com o governo sobre a estimativa de perda de cada dívida.

O Tesouro vai dar garantias para cerca de 90% das novas perdas com cada dívida.

Em sua maior parte, é difícil avaliar o valor das dívidas, por causa do colapso do mercado em que estas foram contraídas.

Por conta desta indefinição de valor, os bancos não sabem exatamente quanto dinheiro têm para emprestar.

Com o seguro, o governo espera encorajar os bancos a retomar os empréstimos normalmente para empresas e indivíduos.

O ministro das Finanças, Alistair Darling, disse à BBC que os bancos que comprarem o seguro terão que assumir "compromissos legais muito específicos de fazer novos empréstimos".

Estímulo

Além disso, o pacote de medidas vai permitir ao Banco da Inglaterra comprar ativos diretamente de empresas.

No passado, o banco podia comprar esses ativos apenas de bancos ou instituições financeiras.

Uma nova empresa subsidiária será criada para comprar os ativos, mas a direção executiva do banco vai decidir que tipos de ativos vai comprar, e de que companhias.

Entre os ativos estarão títulos corporativos, o que significa que algumas empresas poderão emprestar dinheiro diretamente do Banco da Inglaterra.

Além disso, o Comitê de Política Monetária do Banco da Inglaterra, que define as taxas de juros, poderá comprar ativos para ajudar a cumprir as metas de inflação.

Anteriormente, a única ferramenta do comitê eram as taxas de juros, mas com a taxa básica chegando perto de zero, a expectativa é que ela se torne menos eficiente e que sejam necessárias outras medidas.

O Banco da Inglaterra terá 50 bilhões de libras (cerca de R$ 175 bi) para gastar na compra de ativos.

Resgates anteriores

Também houve mudanças nos termos dos planos de resgate anteriores oferecidos a bancos em dificuldades.

O banco Northern Rock, por exemplo, disse que vai receber um prazo maior para pagar os empréstimos do governo.

O prazo para o pagamento da dívida estava forçando o banco a reduzir seus empréstimos de hipoteca muito rapidamente, o que não estava de acordo com a expansão de empréstimos buscada pelo governo.

Em outro anúncio, o Royal Bank of Scotland disse que havia mudado os termos de seu pagamento ao governo, mudando os tipos de ações e aumentando a participação do governo no banco.

Com o novo sistema, o governo passa a ter participação maior no banco, mas as parcelas de pagamento da dívida ficam mais baixas. Em troca, afirma o governo, o banco terá que emprestar mais dinheiro.

Leia mais sobre crise financeira

    Leia tudo sobre: crise financeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG