Governo boliviano pede desbloqueio de estradas como sinal ao diálogo

LA PAZ - O Governo da Bolívia pediu hoje aos grupos opositores que ponham fim aos bloqueios de estradas na zona petrolífera, fronteiriça com Argentina e Paraguai, como um sinal para buscar o diálogo sobre os conflitos do país.

EFE |

O pedido foi feito hoje pelo porta-voz presidencial, Ivan Canelas, depois que os governadores regionais opositores de várias regiões solicitassem à Organização dos Estados Americanos (OEA) e à Igreja Católica que ajudassem na instauração de um diálogo com o Governo.

Em coletiva de imprensa, Canelas disse que o Governo ratifica "a vontade firme do diálogo", mas que a oposição deve dar "uma mostra clara e palpável" dessa aproximação com a suspensão do bloqueio das estradas para Argentina e Paraguai.

O Governo acusa o Governo de Tarija, liderado pelo opositor Mario Cossío, de mobilizar caminhões para transportar terras e escombros às estradas de modo a manter o protesto iniciado na segunda-feira.

Nas zonas próximas aos bloqueios de estradas há campos e poços petroleiros protegidos pelo Exército para evitar desordens que possam afetar as operações das empresas e a distribuição do combustível no país.

Canelas disse que a oposição pode seguir o exemplo dos camponeses do departamento de Chuquisaca que, na terça-feira, acabaram com um bloqueio de sete dias contra a governadora opositora Savina Cuéllar para facilitar o diálogo sobre um conflito regional.

O secretário-geral da Conferência Episcopal Boliviana da Igreja Católica, monsenhor Jesús Juárez, disse estar disposto a promover a aproximação entre a oposição e o Governo.

"Se for acontecer algum diálogo, que seja de verdade, porque assim o povo pediu e deseja que haja entendimento para que possamos ter um pouco de tranqüilidade e seguir progredindo", disse Juárez, segundo a "Agência Boliviana de Informações".

Leia mais sobre Bolívia

    Leia tudo sobre: bolívia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG