Tamanho do texto

LA PAZ (Reuters) - O governo boliviano denunciou novamente na sexta-feira um massacre de camponeses no Estado amazônico de Pando, um dia depois das lutas sangrentas entre opositores e governistas, no mesmo distrito, devido à crise política no país. O vice-ministro da Coordenação com Movimentos Sociais, Sacha Slorenti, disse a jornalistas que os choques entre os camponeses que apóiam o governo e as pessoas veiculadas ao governo de Pando fizeram aproximadamente 10 mortos. No entanto, rádios locais informaram que morreram pelo menos 14 pessoas.

A violência no Estado, um dos quatro liderados por opositores que exigem a autonomia em relação ao governo central, começou na quinta-feira e foram os enfrentamentos mais graves desde que começou a onda de protestos regionais contra os planos socialistas do presidente Evo Morales.

'Malfeitores brasileiros e peruanos contratados pelo governador de Pando continuam perseguindo camponeses(...), exigimos que parem imediatamente com essa caçada', disse Llorenti em uma coletiva de imprensa.

Ele acrescentou que o governo pediu ao Congresso que inicie uma investigação sobre o que acontece em Pando, antecipando que 'o principal responsável e protagonista não é ninguém menos que (o governador) Leopoldo Fernández'.

Anteriormente, um senador de Pando, Hernán Cuéllar, disse que, na manhã de sexta-feira, foram encontrados seis corpos de camponeses perto de um rio, em local próximo ao dos combates de quinta-feira, descrito como 'uma emboscada de funcionários do governo do Estado a uma caravana de camponeses'.

Isto elevaria para pelo menos 14 o número de mortos no Estado, que fica a cerca de mil quilômetros ao norte de La Paz.

O número oficial de mortos, até agora, era de oito.

Cuéllar, que é opositor mas frequentemente se alinha com o governo, disse às rádios que, além de haver mais de 80 feridos, ainda há um número indeterminado de camponeses desaparecidos.

(Por Carlos Alberto Quiroga)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.