Governo boliviano anuncia medidas contra jovens que impediram vôo de Morales

La Paz, 29 ago (EFE).- O ministro da Defesa da Bolívia, Wálker San Miguel, anunciou hoje que serão aplicadas medidas legais contra os jovens que, na quarta-feira, impediram a decolagem do avião do presidente Evo Morales de uma cidade do departamento de Beni.

EFE |

"Todos estão identificados. São grupos pequenos que utilizaram máquinas" para bloquear o aeroporto, informou San Miguel, que classificou o protesto como um ato de "terrorismo contra todos os bolivianos".

Há dois dias, jovens opositores a Morales tomaram o aeródromo próximo à localidade de Cachuela Esperanza, em Beni, para impedir a decolagem do avião presidencial, razão pela qual o chefe de Estado boliviano teve que atravessar a fronteira com o Brasil para conseguir retornar à cidade de La Paz.

San Miguel, que lembrou que Morales foi ratificado com folga no referendo revogatório do último dia 10, pediu a opinião pública e aos meios de comunicação que "denunciar atos deste tipo".

Em 5 de agosto, um incidente similar protagonizado por manifestantes contrários a Morales obrigaram os presidentes da Venezuela, Hugo Chávez, e da Argentina, Cristina Fernández, a cancelarem uma viagem que fariam a Tarija, no sul da Bolívia. EFE lav/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG