Governo boliviano adverte com penas quem danificar plantas petrolíferas

La Paz, 24 ago (EFE).- O Governo de Evo Morales assinou hoje um decreto que adverte com penas e cobranças as autoridades regionais ou municipais que liderarem protestos que causem danos a instalações petrolíferas na Bolívia.

EFE |

O decreto foi apresentado este domingo à noite pelo ministro da Fazenda, Luis Arce, no Palácio de Governo, perante a possibilidade de os dirigentes opositores promoverem a partir desta segunda-feira protestos sociais contra o Executivo, mas que afetem plantas petrolíferas.

Os dirigentes opositores do sudeste da Bolívia, onde estão os maiores campos de gás, anunciaram que amanhã iniciarão bloqueios de estradas nessa região, fronteiriça com a Argentina e o Paraguai, para exigir do Governo que atenda suas reivindicações econômicas.

Apesar de esses dirigentes assinalarem que os protestos não afetarão instalações petrolíferas de empresas públicas e privadas, o Governo determinou na sexta-feira que o Exército custodie essas empresas.

O decreto emitido hoje estabelece que autoridades ou funcionários de departamentos ou municípios que instiguem esses atos serão processados e, além disso, os danos que eventualmente causarem serão reparados com uma parte de seus orçamentos regionais.

Os protestos no sudeste, região conhecida como El Chaco, são organizados para reivindicar ao Governo que devolva aos cofres dos departamentos a renda petrolífera retida em janeiro passado e que foi destinada pelo Executivo ao pagamento de um bônus para maiores de 60 anos.

Para organizar outras medidas de pressão, os governadores regionais desta região - Chuquisaca, Santa Cruz, Beni e Pando - se reuniram hoje em Tarija, embora tenham decidido não divulgar as medidas que adotarão contra o Executivo de Morales. EFE ja/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG