Governo argentino nega ter pressionado vice a renunciar

Buenos Aires, 24 nov (EFE).- O Governo argentino negou hoje ter pressionado para que renuncie o vice-presidente Julio Cobos, com quem teve problemas em julho passado, quando ele contribuiu para a rejeição de uma polêmica lei sobre impostos impulsionada pelo oficialismo.

EFE |

"Ninguém lhe pediu que renunciasse", ressaltou o ministro do Interior, Florencio Randazzo, ao desmentir informações da imprensa, que denuncia que o vice-presidente quer um plebiscito sobre sua continuidade no cargo, em rejeição a pressões para que deixe o posto.

"Não parece sério neste momento tão delicado que o mundo vive mundo, e que a Argentina segue com atenção e prudência, ter que falar sobre uma questão que em nada importa à sociedade", disse a rádios locais.

O ministro do Interior considerou que "o simples fato de pensar em convocar um plebiscito para ver se Cobos continua ou não, soa ridículo" e culpou o vice-presidente de "gerar questões que nada têm a ver com a realidade". EFE alm/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG