Buenos Aires, 21 mai (EFE).- O Governo argentino confirmou hoje que amanhã, quinta-feira, retomará as negociações com as patronais agropecuárias para pôr fim ao conflito iniciado há mais de dois meses.

"Vamos ver se podemos começar a falar sério e solucionar os temas que interessam a todos. Eles (representantes do campo) têm uma proposta nossa de agenda que nunca foi tratada e ali estão todos os temas", disse o chefe do Gabinete, Alberto Fernández.

Em declarações à emissora local "Rádio Diez", o funcionário afirmou que o encontro com as autoridades das quatro maiores entidades rurais do país será realizado na quinta-feira pela tarde na sede do Ministério da Economia.

Na reunião, o Governo estará representado tanto pelo próprio chefe do Gabinete como pelo ministro da Economia, Carlos Fernández, especificou.

Antes que Alberto Fernández confirmasse a convocação às patronais agropecuárias, o presidente da Sociedade Rural, Luciano Miguens, disse que retomar o diálogo "é urgente" tendo em vista que "o campo está esperando uma solução".

Após os pedidos de vários setores para que as partes retomem as negociações, os produtores rurais concluíram hoje uma greve que representou uma nova trégua com o propósito de habilitar uma instância de diálogo com o Executivo.

As quatro principais entidades agropecuárias do país, que reúnem cerca de 290.000 produtores, haviam acordado, como uma medida de pressão, não comercializar grãos com destino às exportações.

O conflito explodiu em março último, quando o Governo impôs um novo esquema de impostos móveis às exportações de soja, girassol, trigo e milho que os agricultores tacham de "confiscatório".

Após três semanas de greve e bloqueios de estradas que causaram desabastecimento e encarecimento de alimentos, as associações do campo declararam uma trégua de um mês, mas retomaram os protestos perante a falta de disposição do Executivo em revisar o aumento das retenções. EFE hd/fb

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.