Governo apela por abstenção contra referendo na Bolívia

A dois dias do referendo no Departamento (Estado) de Santa Cruz de La Sierra, a região mais rica da Bolívia, o governo do presidente Evo Morales e os líderes da campanha pelo sim à autonomia intensificaram seus discursos contra e a favor da votação. A ministra de Desenvolvimento Rural, Susana Rivero, pediu a abstenção dos bolivianos nas urnas, durante discurso na localidade de El Torno, em Santa Cruz.

BBC Brasil |

"Este processo de autonomia pretende beneficiar pequenos grupos. Essa idéia de autonomia pretende dividir o país", disse ela. "Não votem".

Ao mesmo tempo, líderes do movimento pelo "sim" à autonomia realizaram caravanas e buzinaços em diferentes bairros de Santa Cruz.

"Vamos pelo sim, vamos pela autonomia", cantavam.

Vários pontos deste departamento exibem faixas verde e branca - as cores da bandeira de Santa Cruz - e a palavra "Sí" pintada nos muros e nas vitrines das lojas.

"Compareçam às urnas, votem pelo sim porque o sim vai significar mais empregos, mais prosperidade para todos", disse Branko Marinkovic, presidente do Comitê Cívico Pró-Santa Cruz, que lidera a campanha pela autonomia.

Promessas
Apesar dos discursos acirrados, a campanha terminou sem atos de violência. Mas representantes do governo e da oposição, que realiza este referendo, têm pedido calma, temendo enfrentamentos neste domingo entre os seguidores de Morales e os que apóiam a autonomia.

Em La Paz, na quinta-feira, o secretário da Central Obreira Boliviana (COB), Pedro Montes, disse: "Estes estatutos são um crime contra a Bolívia".

Ele pediu que os bolivianos pendurem a bandeira do país nas janelas das casas.

"Assim, vamos mostrar que queremos a unidade e que somos contra os racistas", afirmou em referência aos que pregam a autonomia.

Nas diferentes propagandas televisivas das duas campanhas destacam-se promessas ou informações sobre realizações de obras públicas e a geração de postos de trabalho.

O governo Morales, que administra o caixa dos recursos do país, mostra onde já aplicou recursos em Santa Cruz.

Já os defensores do "sim" afirmam que com a autonomia, Santa Cruz será dona de seus recursos, gerados a partir da arrecadação de impostos e da venda Dos recursos naturais que possui, como soja e hidrocarbonetos.

Estima-se que Santa Cruz seja responsável por quase 40% da arrecadação nacional.

Nas ruas de Santa Cruz, o que mais se escuta dos eleitores, que tendem a votar pelo "sim", é que eles estão cansados de viajar, constantemente, a La Paz, sede do governo central, para resolver qualquer questão burocrática.

Federalismo
A Bolívia é um país unitário, com as decisões concentradas nas mãos governo central.

Ouvidos pela BBC Brasil, os analistas Gonzalo Chávez, professor de mestrado de economia da Universidade Católica, de La Paz, e Ximena Costa, professora de ciências políticas da Universidade Maior de San Andrés, de La Paz, afirmaram que a Bolívia caminha, no longo prazo, para o federalismo.

"A Bolívia está vivendo um parto, mas ainda não sabemos, depois dos referendos, qual será a cara desse bebê, que poderá se chamar federalismo boliviano", disse, recordando que além de Santa Cruz, os Departamentos de Beni, Pando e Tarija, a chamada "meia lua", também marcarão, até junho, referendos sobre suas autonomias.

"Só espero que estes processos de autonomia incluam as comunidades indígenas", acrescentou ela.

Leia mais sobre Bolívia

    Leia tudo sobre: bolívia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG