Governo acusa de traição secretário-geral da oposição do Zimbábue

Harare, 13 jun (EFE) - O secretário-geral do partido de oposição zimbabuano Movimento para a Mudança Democrática (MDC, em inglês), Tendai Biti, enfrentou hoje acusações de traição após ser detido na quinta-feira quando chegava ao aeroporto de Harare, informaram fontes do partido. A Polícia deteve também na quinta-feira o líder do MDC, Morgan Tsvangirai, em duas ocasiões. Na primeira vez que ele foi retido, passou duas horas em uma delegacia.

EFE |

Após ser liberado sem acusações, foi detido pouco depois por mais quatro horas.

No total, Tsvangirai foi retido pela Polícia quatro vezes em apenas oito dias.

Tendai Biti pode ser condenado à pena de morte, acusado de tornar públicos os resultados do primeiro turno das eleições, realizado em 29 de março, quando disse em entrevista coletiva que seu partido tinha vencido o pleito.

Segundo a legislação do Zimbábue, a Comissão Eleitoral do país (ZEC) é o único organismo que pode anunciar os resultados do pleito.

Biti, que até quinta estava exilado na África do Sul, criticou abertamente Robert Mugabe, atual presidente do Zimbábue, em várias ocasiões, acusando-o de querer se agarrar ao poder por todos os meios.

Enquanto isso, o MDC qualifica de absurdas as denúncias lançadas contra o secretário-geral. "Tendai Biti é um zimbabuano orgulhoso que esteve na primeira linha de combate para conseguir um país mais democrático e próspero", disse Nelson Chamisa, porta-voz do principal partido da oposição, à Agência Efe.

"Se deve ser questionado o compromisso de alguém para com o Zimbábue é o dos indivíduos do regime de Mugabe, que fizeram com que o país se transformasse em uma ditadura e em uma ruína econômica", acrescentou Chamisa.

O MDC acredita que as acusações apresentadas hoje contra Biti são outra ação da campanha de Mugabe para contrariar a vontade do povo de votar no partido da oposição.

O presidente do Zimbábue e o líder do MDC se enfrentarão em 27 de junho na segunda rodada das eleições presidenciais, já que nenhum deles obteve a maioria absoluta necessária para ser proclamado vencedor no primeiro turno.

Milhares de pessoas foram deslocadas no Zimbábue depois que veteranos de guerra e membros do Exército iniciaram uma violenta campanha de intimidação contra os partidários do MDC. EFE sk/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG