Governador diz que 'falta tudo' em centros para desabrigados no Japão

Responsável pela Província de Fukushima critica maneira como governo japonês está lidando com a retirada ao redor de usina nuclear

BBC Brasil |

selo

O governador da Província de Fukushima, centro da crise nuclear no Japão , criticou a maneira como o governo japonês está lidando com a população obrigada a deixar a área ao redor da usina nuclear de Daiichi, onde foram registradas explosões e incêndios nos últimos dias.

Em comunicado divulgado pela televisão, o governador Yuhei Sato disse que os abrigos para as pessoas que deixaram suas casas não têm refeições quentes, combustível ou suprimentos médicos em quantidades suficientes para atendê-los. "Nos falta tudo", disse. "A ansiedade e a raiva sentidas pelas pessoas atingiram o ponto de ebulição."

AP
Mulher segura criança em abrigo depois de ter sido retirada de áreas ao redor da usina nuclear de Fukushima, Japão
Sato disse que engenheiros e técnicos correm contra o tempo para evitar uma catástrofe nuclear na usina, que foi severamente danificada pelo terremoto e tsunami que atingiram o país na última sexta-feira.

O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, determinou uma área de retirada em um raio de até 20 quilômetros da usina. Outras 140 mil pessoas que moram a até 30 quilômetros de Daiichi foram aconselhadas a não deixar suas casas. Horas antes, o porta-voz do governo japonês, Yukio Edano, disse que os níveis de radiação ao redor da usina voltaram a cair e novas operações para evitar o vazamento de combustível nuclear nos reatores 3 e 4 da usina estão em andamento.

Perigo nuclear

A Agência Internacional de Energia Atômica da ONU (AIEA) disse que as autoridades japonesas estão preocupadas com as condições do reservatório de armazenamento de combustível nuclear dos reatores número 3 e 4 de Daiichi.

Uma tentativa de despejar água no reator 3 usando um helicóptero da Força de Autodefesa do Japão (FAJ) foi cancelada nesta quarta-feira, por causa do aumento no nível de radiação sobre a usina. De terra firme também seria lançada água no reator número 4 e possivelmente no número 3, para evitar o superaquecimento das instalações.

No início da manhã, uma nuvem de fumaça foi vista no reator número 3. Segundo a empresa Tokyo Electric Company, que opera a instalação, a fumaça foi liberada pela evaporação da água do reservatório onde ficam armazenados as barras de combustível já utilizadas, que estariam esquentando rapidamente.

Também nesta quarta-feira, um novo incêndio atingiu o reator número 4 da usina, e o aumento nos níveis de radiação do local obrigou os trabalhadores a abandonar temporariamente a instalação. Uma zona de exclusão aérea foi estabelecida sobre o complexo nuclear.

Em Tóquio, a mais de 200 quilômetros de Fukushima, o nível de radiação sofreu uma pequena elevação - suficiente para amedrontar os moradores, que começam a estocar mantimentos. O diretor da AIEA, Yukiya Amano - que anunciou que visitará o Japão ainda nesta semana -, disse que ainda não se pode dizer que a situação está fora de controle.

A declaração foi em reação à feita pelo comissário de Energia da União Europeia, Günther Oettinger, que disse que aparentemente as autoridades japonesas perderam o controle da situação nuclear.

Resgate

Equipes de resgate e sobreviventes do terremoto e do tsunami no Japão enfrentam agora neve e temperaturas abaixo de zero , no momento em que suprimentos começam a chegar às áreas mais afetadas. As principais estradas para a costa nordeste do país foram reabertas e o Exército está usando helicópteros para levar bens de primeira necessidade aos desabrigados, que estão vivendo em casas, escolas e ginásios que ficaram de pé após a tragédia.

Segundo a TV pública NHK, o número oficial de mortos chega a 4,3 mil, mas as expectativas são de que esse número suba muito, já que foram encontrados muitos corpos não identificados em regiões de litoral. Na cidade de Otsuchi, ainda não se sabe o que aconteceu com metade da população, cerca de 8 mil pessoas.

Preocupação

O Banco do Japão anunciou nesta quarta-feira que injetará mais 13,8 trilhões de ienes (cerca de R$ 285 bilhões) nos mercados financeiros para ajudar na recuperação econômica do país. Com isso, o governo japonês aumentou para 55,6 trilhões de ienes o total dos fundos de emergência disponibilizado para proteger o sistema bancário da nação após o impacto do terremoto seguido de tsunami.

O desastre mergulhou o Japão na "crise mais grave desde a Segunda Guerra Mundial", segundo Naoto Kan. O imperador do Japão, Akihito , disse que está "profundamente preocupado" com a possibilidade de que piore a crise gerada pelo terremoto e o tsunami, bem como do acidente nuclear que o abalo causou.

Em uma rara aparição ao vivo na TV - sua primeira manifestação pública depois do desastre -, o imperador disse que está orando pelos japoneses. Em tom sombrio, o soberano disse que estava rezando para que todas as vítimas da tragédia sejam salvas.

Estrangeiros

A situação de instabilidade tem levado países a elevar sua recomendação de evitar viagens para grande parte do Japão. O governo australiano recomendou que todos os seus cidadãos que estiverem em Tóquio ou nas cidades afetadas pensem em deixar os locais.

A Turquia aconselhou que ninguém viaje ao Japão. Já o governo francês pediu à Air France dois aviões para retirar seus cidadãos do país a partir da quinta-feira. A autoridade nuclear francesa diz que a catástrofe no Japão já atingiu o nível seis , em uma escala que vai até sete. O Japão classifica o incidente como nível quatro.

    Leia tudo sobre: japãoterremototremortsunamiusina nuclear

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG