Vice-governador diz que disparo se tratou de um acidente doméstico; polícia, a princípio, descarta hipótese de suicídio

O governador da província argentina de Río Negro, Patagônia, Carlos Soria, morreu na madrugada deste domingo, durante as celebrações do ano-novo, com um tiro no rosto, em sua residência de repouso nas proximidades da cidade de General Roca.

Leia também: Com Cristina Kirchner, câncer atinge sexto líder da América Latina

Carlos Soria, governador de Rio Negro, em foto tirada no dia 16 de dezembro de 2011
AP
Carlos Soria, governador de Rio Negro, em foto tirada no dia 16 de dezembro de 2011

O secretário de Coordenação e Informação do governo de Rio Negro, Julián Goinhex, confirmou a morte do governador, 61 anos, que assumiu o cargo em 10 de dezembro, mas não revelou os detalhes do tiro nem as circunstâncias do momento.

"Foi um acidente doméstico com uma arma de fogo. Agora a justiça deverá determinar como ele ocorreu", disse às rádios locais o vice-governador da localidade, Alberto Weretilneck.

Carlos Soria, que chegou ao poder pelo Partido Justicialista, peronista, estava em sua casa de Paso Córdoba, nas proximidades de General Roca, que fica 1.176 km ao sul de Buenos Aires, quando recebeu um tiro no rosto.

Soria estava em casa com a esposa e um de seus filhos. Uma investigação tenta descobrir as causas do tiro que ele recebeu no olho. O governador chegou a ser levado para um hospital, mas faleceu pouco depois da internação.A princípio, a polícia descarta a hipótese de um suicídio. A família decidiu não organizar um funeral.

Soria "estava feliz por tudo o que tinha conseguido. É um golpe tremendo, estamos tratando de entender o inexplicável", lamentou o vice-governador, quem ficará à frente do governo de Rio Negro até 2015.

Com EFE e AFP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.