Chicago (EUA) 9 dez (EFE) - O governador de Illinois, Rod Blagojevich, e seu chefe de gabinete, John Harris, ficaram hoje em liberdade sob palavra, com o compromisso de pagar uma fiança de US$ 4.500, após comparecer perante um juiz federal em Chicago.

Blagojevich, usando roupa esportiva, chegou escoltado por agentes federais ao prédio da corte, no centro de Chicago, onde entrou pelo estacionamento subterrâneo, longe de fotógrafos, jornalistas e curiosos.

Após a audiência, que durou 15 minutos, o governador e seu colaborador assinaram um bônus de fiança de US$ 4.500, que compromete ambos a abonar este valor, e ficaram em liberdade.

Até agora, Blagojevich não falou com jornalistas, enquanto seu Escritório emitiu um comunicado de imprensa no qual afirma que o Governo funciona normalmente.

O governador e seu chefe de gabinete foram acusados hoje de corrupção, por supostamente terem tentado vender o assento vago no Senado com a renúncia do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama.

Ambos também são acusados de ter tentado extorquir a empresa jornalística Tribune, proprietária do "Chicago Tribune", em troca da autorização para vender o estádio esportivo Wrigley Field, sede do Chicago Cubs.

A detenção aconteceu esta manhã depois que Blagojevich recebeu uma ligação telefônica em casa, na qual o agente especial Robert Grant, encarregado do FBI (Polícia federal americana) em Chicago, informava à autoridade local de que tinha ordem para prendê-lo.

"Sua primeira pergunta foi se era uma piada, eu respondi que não, que do lado de fora o aguardavam dois agentes e era melhor agir com discrição", afirmou Grant em entrevista coletiva.

O governador não opôs resistência, foi algemado e retirado de sua casa por agentes federais a um lugar onde permaneceu até a audiência com o juiz Nan Nolan.

Sua detenção trouxe à tona um escândalo político de grandes proporções em Illinois, em um momento em que o governador anterior -o republicano George Ryan- cumpre uma condenação de seis anos e meio por corrupção em uma prisão de Indiana.

Blagojevich sucedeu Ryan em 2003 como o primeiro governador democrata de Illinois, depois de mais de 30 anos de domínio republicano na política do estado.

O vice-governador Pat Quinn disse hoje que Blagojevich deveria se afastar do cenário, pelo menos temporariamente, já que "não está em condições de cumprir seu juramento".

"Penso que isso é o que o governador fará. Ele sabe o que é melhor para as pessoas", disse Quinn em entrevista coletiva.

Em caso de renúncia ou de um afastamento temporário de Blagojevich, o cargo seria ocupado por Quinn, que foi seu companheiro de chapa na eleição de 2006, quando o governador obteve seu segundo mandato.

Enquanto isso, políticos democratas e republicanos exigiram a renúncia do governador, sob a ameaça de iniciar um julgamento político na Câmara de Representantes estadual.

A Constituição de Illinois informa que o julgamento pode ser votado por maioria simples dos 118 membros da Câmara.

Depois, no Senado, o julgamento seria presidido pelo presidente da Suprema Corte do estado, e a destituição do governador poderia ser aprovada com o voto de dois terços dos 59 senadores. EFE jm/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.