Gorbachev diz que solução para caso Botnia está na negociação

Montevidéu, 23 jan (EFE).- O ex-presidente da União Soviética e principal responsável pela ONG ambiental Green Cross, Mikhail Gorbachev, disse hoje em entrevista publicada na imprensa local que a saída para o conflito da unidade de Botnia passa pela negociação.

EFE |

Em entrevista publicada neste sábado pelo jornal "El Observador", o último líder da União Soviética (1986-1991) demonstrou estar ciente dos fatos relacionados à fábrica de celulose, propriedade do grupo UPM, e expressou sua satisfação pelos avanços do presidente eleito do Uruguai, José Mujica, por destravar a situação.

A organização Green Cross é uma das ONG que estudam a situação do rio Uruguai e do ar em torno da fábrica de papel da UPM desde o início do conflito.

Nos relatórios, a organização constatou que a planta não contamina as águas do rio, fronteira natural entre a Argentina e o Uruguai.

A instalação da fábrica na margem do rio em 2006 gerou protestos de grupos ambientalistas argentinos, que acusaram o Uruguai de ter autorizado a planta sem consultar e argumentam que a instalação contamina as águas.

Desde então, manifestantes argentinos bloqueiam a principal passagem na fronteira entre os dois países, uma situação que foi denunciada pelo Uruguai ao Tribunal de Justiça de Haia.

Segundo Gorbachev, a reunião entre Mujica e a presidente argentina, Cristina Fernández de Kirchner, na qual trataram sobre a UPM, foi "o primeiro passo importante" para resolver a crise.

"Após todas as dificuldades, agora resta encerrar o conflito e fazer uma imersão conjunta na água", brincou o veterano político.

Na entrevista, Gorbachev também demonstrou contrariedade pelos pobres resultados da Cúpula do Clima de Copenhague, apesar de ter considerado "importante" que "o tema ambiental e os efeitos da mudança climática" estejam entrando na agenda dos líderes de opinião do planeta.

"Deixaram de ser críveis as desculpas e os pretextos para não passar à ação em assuntos ambientais, e as afirmações que há problemas mais importantes. Se fracassamos neste problema, fracassaremos em todos os demais. É uma emergência verdadeira", sentenciou o político. EFE amr/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG