Golpistas no Níger garantem volta a ordem constitucional e nova Carta Magna

Niamey, 21 fev (EFE).- Os autores do golpe de Estado da quinta-feira passada no Níger deram hoje garantias sobre o retorno à ordem constitucional e prometeram a elaboração de uma nova lei fundamental, embora não tenham dado uma data para tanto.

EFE |

Foi o que revelaram membros da missão conjunta da ONU, da União Africana (UA) e da Comunidade Econômica dos Estados de África Ocidental (Cedeao) que está desde a manhã de hoje na capital do Níger, Niamey, para conversar com os golpistas e pedir a eles que o país retome "a via democrática o mais rapidamente possível".

A equipe é formada pelo argelino Said Djinnit, representante do secretário-geral da ONU para a África Ocidental; seu compatriota Ramtane Lamamra, comissário de paz e segurança da UA; e o presidente da comissão da Cedeao, o ganês Mohammed Ibn Chambas.

"A missão veio para ter um primeiro contato com a junta e conhecer suas intenções. Expressamos nosso desejo de ver o Níger restabelecer rapidamente a democracia e eles manifestaram sua boa disposição em fazê-lo", disse Lamamra à imprensa após uma reunião com os oficiais golpistas, que se apresentam como dirigentes do Conselho Supremo para a Restauração da Democracia (CSRD).

Segundo Lamamra, os autores do golpe de Estado que derrubou o presidente Mamadou Tandja se comprometeram a criar um conselho consultivo e um Governo de união nacional para o período de transição.

"Eles nos deram as garantias necessárias sobre o retorno à ordem constitucional e sobre a elaboração de uma nova Constituição. Vamos criar as condições para acompanhar este processo, a fim de que o Níger volte rapidamente à democracia", declarou Ibn Chambas.

Chambas explicou que os três membros da missão debateram com os golpistas os meios necessários para que "o país recupere, no menor prazo possível, uma via constitucional normalizada".

Também hoje, circularam informações contraditórias sobre os ministros retidos desde o dia do golpe de Estado. Segundo os golpistas anunciaram ontem, todos tinham sido libertados.

Um membro das forças armadas e de segurança, que pediu o anonimato, declarou à Agência Efe que alguns dos 32 ministros capturados na quinta-feira ainda estão em poder dos golpistas.

"Trata-se do primeiro-ministro, Ali Badjo Gamatie; do titular de Interior, Albade Abouba; de Defesa, Djida Amadou; de Economia e Finanças, Ali Lamine Zeine; de Assuntos Exteriores, Aïchatou Mindaoudou; de Justiça, Garba Lompo; de Minas e Energia, Mohammed Abdoulahi, e de Equipamento, Lamido Moumouni Harouna", afirmou a fonte.

Por outro lado, um porta-voz do CSRD assegurou hoje que apenas três membros do Governo continuam retidos, no caso o primeiro-ministro e os titulares de Interior e Finanças, já que, acrescentou, "devemos proteger sua segurança".

O porta-voz também disse que Tandja está em um lugar pertencente à intendência da Presidência e está "em muito boas condições".

O coronel Djibrilla Hima Hamidou, do CSRD, ressaltou que qualquer ideia de um julgamento de Tandja está descartada. EFE oi-sk/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG