Gigolô suíço admite ter chantageado mulher mais rica da Alemanha

Um homem suíço declarou-se culpado da acusação de seduzir várias mulheres ricas para extorquir milhões de dólares, em um julgamento em Munique, na Alemanha, iniciado nesta segunda-feira. Helg Sgarbi, que a mídia alemã apelidou de gigolô suíço, pode ser condenado a dez anos de prisão por fraude e extorsão.

BBC Brasil |

AP
Helg Sgarbi
Mídia apelidou Sgarbi de "gigolô suíço"

Sua vítima mais famosa é Susanne Klatten, de 46 anos, herdeira da fábrica de automóveis alemã BMW, considerada a mulher mais rica da Alemanha.

Segundo promotores, Klatten deu a Sgarbi, ex-funcionário de um banco de investimentos, quase US$ 9 milhões, mas registrou queixa na polícia quando ele tentou chantageá-la ameaçando divulgar um vídeo que mostrava ambos fazendo sexo no quarto de um hotel da cidade. Klatten, uma empresária casada, mãe de três filhos, disse que Sgarbi, exigiu US$ 18 milhões.

O correspondente da BBC em Munique, Steve Rosenberg, disse que Sgarbi permaneceu sentado durante a audiência, impassível, enquanto as acusações eram lidas. Seu advogado disse em seguida que as acusações eram precisas.

Como admitiu culpa, Sgarbi pode ter uma sentença mais curta. Se ele contestasse as acusações, acredita-se que Klatten, uma mulher que costuma evitar publicidade, poderia prestar depoimento no tribunal. O caso está atraindo grande interesse da mídia alemã, de acordo com Rosenberg.


Leia mais sobre chantagem

    Leia tudo sobre: gigolo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG