Gigolô que chantageou herdeira da BMW é condenado a seis anos de prisão

Um suíço foi condenado a seis anos de prisão nesta segunda-feira em Munique (sul da Alemanha) por ter chantageado mulheres abastadas, entre elas a mais rica do país, a herdeira da BMW, mas ele manteve o sigilo sobre seus milhões e seus vídeos íntimos.

AFP |

Durante toda a audiência, Helg Sgarbi, apelidado de o "gigolô suíço" pela imprensa alemã, se manteve impassível.

O homem, na faixa etária dos 40, com um terno cinza e óculos combinando, se levantou apenas uma vez para pedir "perdão em público às suas vítimas", nenhuma delas presente.

O processo, previsto para uma semana, não durou nem um dia: o advogado do acusado reconheceu os fatos imputados a seu cliente.

A acusação pedia nove anos, mas a defesa queria conseguir apenas cinco.

Helg Sgarbi, que apareceu como um homem elegante, magro, com os cabelos curtos, conseguiu tirar 9,4 milhões de euros de quatro mulheres abastadas, que encontrou e seduziu em hotéis de luxo, dos quais 7 milhões de euros somente de Susanne Klatten, a mulher mais rica da Alemanha, a herdeira da BMW.

A audiência não revelou nem o destino do dinheiro, nem os vídeos íntimos utilizados para chantagear as mulheres, nem o papel exato desempenhado por um italiano, cúmplice possível de Sgarbi.

O italiano, identificado como Ernano Baretta, detido na Áustria ao mesmo tempo que Sgarbi, "provavelmente comprou uma casa perto de Pescara (centro da Itália) com o dinheiro de Susanne Klatten".

"Os investigadores italianos encontraram grandes somas de dinheiro líquido, escondidas em sacolas plásticas e num vaso de cerâmica", divulgaram as autoridades.

Ernano, interrogado e depois libertado pela justiça italiana, é apresentado pela imprensa como guru de uma seita á qual pertencia Helg Sgarbi. Ele ainda está fora do alcance da justiça alemã.

Sgarbi chantageava suas vítimas ameaçando publicar as imagens de suas relações íntimas gravadas sem o consentimento das mesmas, escondido. Ele recebeu de suas três vítimas ricas cerca de 2,4 milhões de euros.

Sgarbi ameaçou Susanne Klatten com fotos e vídeos de noites que passaram num quarto de um hotel Holiday Inn de Munique, pedindo-lhe 49 milhões de euros para não mostrar as imagens a seu marido e depois à imprensa.

fbe/lm/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG