Georgianos fogem das bombas, deixando prédios em chamas para trás

Os habitantes da cidade georgiana de Gori fogem apavorados de ônibus e de carro, depois que bombardeiros russos deixaram edifícios em chamas e, segundo testemunhas, mataram várias pessoas.

AFP |

Apontando para um prédio destruído por um ataque aéreo, Volódia parece temer novas bombas nessa cidade do norte da Geórgia, a maior das situadas perto da região separatista pró-russos da Ossétia do Sul, onde forças russas e georgianas se enfrentavam.

"O que aconteceu aqui há duas horas pode voltar a acontecer a qualquer momento", acredita Volódia.

O morador Sergo Batamanashvili conta que sua mãe e sua irmã já escaparam da cidade, assim como centenas de habitantes surpreendidos pelos ataques aéreos russos, mas ele está decidido a ficar em Gori e engrossar as fileiras do Exército georgiano.

"Não vou embora. Esse é o meu país. Vou me juntar ao Exército amanhã", garantiu.

Vários ônibus e carros cheios de pessoas que fugiam de Gori, cidade natal do ex-ditador soviético Joseph Stalin, partiram em direção à capital georgiana, Tbilisi.

A televisão georgiana divulgou imagens de cadáveres nas ruas e de edifícios residenciais em chamas.

Uma jornalista da AFP que visitou a zona pouco depois dos ataques viu muitas casas em ruínas, algumas pegando fogo, e moradores apavorados que tentavam abandonar a área. Também viam-se ambulâncias entrando e saindo de Gori.

Fora do principal hospital de Gori, dezenas de familiares angustiados aguardavam notícias das vítimas dos ataques aéreos.

A emissora privada Rustavi-2 também mostrou imagens de um cadáver, que seria de um piloto russo, e um documento de identidade de outro piloto, feito prisioneiro pelas autoridades georgianas. Segundo a rede de TV, o militar morto pilotava um bombardeiro russo abatido pelas forças georgianas na região de Gori.

Os aviões militares russos fizeram pelo menos três ataques sobre Gori e seus arredores, entre 8h30 e 12h30 (1h30 e 5h30 de Brasília), afirmou a porta-voz do Ministério georgiano da Defesa Nana Intskirveli.

Os ataques russos tiveram como alvo uma ponte e bases militares perto de Gori, embora também tenham alcançado zonas residenciais, acrescentou a porta-voz.

Os ataques cessaram depois de que as forças georgianas derrubaram um dos aviões russos, ainda segundo a porta-voz.

    Leia tudo sobre: georgia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG