Geórgia reunifica sua família real com os laços do casamento

O casamento, domingo, de um príncipe e de uma princesa georgianos terá um sabor de conto de fadas, porque vai selar a união de duas ramificações da família real que disputam o trono vago desde a anexação da Geórgia pela Rússia, no início do século XIX.

AFP |

Ante 3.000 convidados, entre eles o presidente georgiano Mikheïl Saakachvili, o príncipe David Bagrationi-Moukhraneli e a princesa Anna Bagrationi-Grouzinski vão dizer o "sim" na catedral de Tbilissi - uma palavra que revela a esperança dos partidários da monarquia de verem, um dia, um rei dirigindo o país.

O casamento de David, 32 anos, nascido na Espanha, e Anna, 31 anos, está marcado pela discrição, o que contribui para atiçar ainda mais a curiosidade ds georgianos.

"É um acontecimento histórico (...) vai permitir à Geórgia redefinir-se num mundo contemporâneo e fazer as pazes com o futuro, após os sobressaltos de sua história", se extasia Maïa, uma jovem atriz georgiana que falou sobre o assunto num café da capital.

Alguns analistas políticos consideram que uma grande parte da população é crítica em relação ao sistema republicano adotado com a independência do país da União Soviética, em 1991; na opinião deles, o presidente tem muito poder nas próprias mãos.

"Numerosos georgianos estão decepcionados com a república presidencialista. Assim, a idéia de uma monarquia constitucional aparece, de repente, ganhando um apoio significativo na sociedade", revela o analista Tornike Charachenidzé.

O patriarca da Igreja ortodoxa georgiana, Ilia II, é favorável ao restabelecimento da monarquia, apoiada por 40% de telespectadores, durante uma pesquisa por telefone realizada durante um programa de televisão.

A dinastia Bagrationi, que diz descender do rei bíblico Davi, dirigiu a Geórgia do século IX até o final do XIX, quando a Rússia imperial anexou o país de George XII.

A família real georgiana espalhou-se na Europa com a revolução bolchevique e a integração em 1921 da Geórgia, após um breve período de independência, até o advento, no ano seguinte, da União Soviética.

A partir daí, várias ramificações da famíla reivindicam o trono, mas os Moukhraneli e Grouzinski são considerados favoritos. O príncipe David nasceu na Espanha e não fala o idioa georgiano, mas vive em Tbilisi desde 2003 e possui dupla nacionalidade.

Sua futura esposa é a filha de Nougzar Bagrationi-Grouzinski, um diretor de teatro célebre em Tbilisi.

im-mm-sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG